quinta-feira, 22 de março de 2012

Preso mais um integrante da quadrilha que assaltava barcos em Paraty

Quadrilha que assaltava no litoral da Costa Verde no Rio de Janeiro, também agia em Ubatuba, no estado de São Paulo.

 

Ilha do Cedro em Paraty, onde estava ancorada uma das embarcações assaltadas.

Gabriel Paiva - O Globo
RIO - A polícia informou nesta segunda-feira que o marinheiro Vilker Vieira dos Santos, o Piti, de 31 anos, preso na manhã de sábado em Angra dos Reis, confessou ser um dos cinco homens encapuzados que assaltaram uma lancha de 64 pés, na madrugada do dia 21 de janeiro, em Paraty. A embarcação, de um médico paulista, estava fundeada próximo à Ilha do Cedro. O revólver Taurus, um dos pertences roubadas durante o assalto que durou duas horas, foi recuperado na sexta-feira nas mãos de um receptador, tio de Viti, que foi preso pela polícia de Ubatuba. Outros dois assaltantes e a mulher de Piti já estão presos.
Interrogado na manhã de domingo por policiais de Angra dos Reis, Piti confessou ter participado também do assalto a outra lancha em Paraty. Ele negou, contudo, a participação direta no assalto a uma lancha em Ubatuba. Admitiu apenas que emprestou um barco para que seus cúmplices praticassem o assalto. O marinheiro, que já morou em Angra, voltou à cidade para se encontrar com uma amante na Estrada da Cachoeira, em Bracuí. A casa da mulher estava vigiada pelos policiais, que surpreenderam Piti na manhã de sábado. O marinheiro já respondeu a um inquérito por extorsão mas foi absolvido porque as vítimas não compareceram na audiência na justiça.
— Já temos as informações para prender os demais integrantes da quadrilha — disse o delegado de Angra dos Reis, Francisco Benitez, que foi designado pela chefe de Polícia Civil, Martha Rocha, para investigar o caso.
Já estão presos Marcos Abdias dos Santos, o Dudu, Marlon Belonha Raimundo e Michele de Jesus Fernandes, mulher de Piti. Michele usou cartões e cheques de vítimas de assaltos em lojas nas quais já trabalhou em Ubatuba. Com ela foram apreendidos vários equipamentos roubados de lanchas, inclusive um motor Mercury.
— Piti confessou que as violências contra as vítimas eram praticadas a mando de Dudu. Confirmou que os bandidos simulavam fotografar as pessoas em situações constrangedoras e ameaçavam colocar as fotografias na internet. O objetivo era evitar que as vítimas procurassem a polícia — disse o detetive Armando, um dos policiais que prenderam Piti.
O presidente do Sindicato das Marinas do Estado do Rio, Antônio Carlos Lobato, disse que a ação da polícia foi rápida e eficiente para esclarecer os assaltos em Paraty. Ele lamentou, contudo, a desativação do posto da Polícia Florestal que funcionava na Marina Verolme e era responsável pelo policiamento, por terra e mar, de toda a Baía da Ilha Grande
— Embora cuidassem da fiscalização do Meio Ambiente, os PMs faziam rondas constantes de lancha e davam uma sensação de segurança na Baía da Ilha Grande, juntamente com o pessoal Grupamento Aeromaritimo (GAM). Os PMs foram transferidos para a sede do Batalhão Florestal, em São Gonçalo. O sindicato e os ambientalistas da Costa Verde estão pedindo ao governador Sérgio Cabral que reveja esta decisão — disse Lobato.
As investigações começaram depois que a lancha de 64 pés do médico paulista foi assaltada por cinco homens encapuzados. Eles levaram terror à família por duas horas e fugiram levando um dos motores do iate, R$ 1.400, um revólver Taurus registrado, GPS e outros equipamentos da embarcação, além de quatro celulares. O assalto aconteceu na mesma época em que a Capitania dos Portos fez uma inspeção na região para verificar as condições de segurança das embarcações. A lancha do médico tinha sido uma vistoriadas no dia 20.

7 comentários:

  1. graças a Deus !

    ResponderExcluir
  2. Caros velejadores,
    A notícia realmente é alentadora, pois a impunidade é um dos maiores incentivadores do crime.

    Outro incentivo é ter coisas que exerçam atratividade sobre os assaltantes, coisas que atinjam bom preço no mercado negro, ou mesmo dinheiro em espécie.

    Como já houve assaltos, é bom ficarmos espertos pois a seqüência pode acontecer e qualquer um de nós poderá ser a próxima vítima.
    Quem sabe fundear onde existam outras pessoas, procurar se relacionar com os barcos que estão por perto acredito que sejam medidas preventivas adequadas.

    Um abraço a todos,
    Alberto
    Veleiro Mister Albert

    ResponderExcluir
  3. Alberto, aproveitando o seu gancho, outro ponto FUNDAMENTAL é a lei do gerson: levar vantagem...
    quantos de nós navegadores compramos coisas baratinhas na mão de estranhos?
    este comportamento estimula bastante o roubo/furto, pois onde tem mercado, tem mercadoria... no caso: roubada de alguém

    Abraço Grande!!!
    Elmo

    ResponderExcluir
  4. Perfeito Elmo.
    Acho que devermos continuar discutindo o assunto e trocando experiências pois só assim preservaremos nossa tranquilidade no mar.
    Abs,
    Alberto

    ResponderExcluir
  5. Alberto
    Aproveitando o seu comentário, gostaria de acrescentar um roubo muito comum na marinas por este Brasil afora e que é muito tentador aos usuário de barcos que ficam permanentemente na agua: Quando uma empresa, tecnicamente correta, especifica uma quantidade de tinta envenenada, que é cara por sinal, muitas vesses o proprietário por descuido não acompanha a pintura e o pintor/marinheiro propositalmente faz sobrar tinta ao invés de aplicar tudo no barco para o qual teve uma especificação. Resultado: A sua pintura fica deficiente, voce foi roubado, e logo necessita de nova pintura pagando uma puxada+ um pintor+ produtos auxiliares+ tinta etc. etc. E o “esperto marinheiro” vende esta tinta para outro que acha que levou vantagem pagando barato. E provavelmente será roubado também!
    Como estou neste ramo de fornecimento de tintas marítimas a mais de 25 anos digo isto de cátedra. Até perdi um amigo por ter perdido uma venda para uma marinheiro, e quando indaguei a este amigo por qual razão não fez sua encomenda, disse-me que havia comprado de um marinheiro pois este tinha ganho do Patrão a sobra. Afirmei que ele havia comprado produto fruto de roubo e que era tão bandido quanto o marinheiro! Ai ficou zangado foi comigo!!!!! Perdi a venda honesta e perdi um amigo!!!
    Alguém contesta o que disse acima? ou todos sabem e fazem vistas grossas a este problema?
    Raymond Grantham

    ResponderExcluir
  6. Raymond

    Você tem toda razão. Só compro tinta de revendedor autorizado, marco as latas,acompanho a aplicação, e pego de volta depois de executado o serviço. Amigos como o seu ex amigo, não faço questão e voce se livrou de um oportunamente. Como diz um amigo meu, ética é quando voce se comporta bem quando tem alguem olhando, caráter é quando voce faz a mesma coisa sózinho. Depois do ladrão tem sempre o receptador, que como voce bem disse, é tão ladrão quanto.

    Um abraço

    Eduardo Moura
    Veleiro Bearship

    ResponderExcluir
  7. Caro Eduardo,
    Excelente a sua definição de ética e caráter. Se tivéssemos pelo menos 20% da população pensando assim...Infelizmente na grande maioria as questões eticas são seguidas quando é interessante ao envolvido. Quando não é a primeira pergunta meio idiota é ...mas não tem um jeito?

    Marcos Medeiros

    ResponderExcluir