quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

O churrasco dos "Broders"... No mar e em terra

No sentido horário os "broders" Vitória, Magda, Martina, Marta, Cleuza e Gigante, Tayná, Fernando, Ladislau e Jonas.

O ocorrido se assucedeu em Garopaba, o dia foi o 07 deste mesmo mês, um Sábado com um baita Nordestão, daqueles que deixa emaranhadas as melenas dos cabeludos e das cabeludas. Marta a "Almiranta", tratou de fazer o ajuntamento dos "broders". Ligou pra Cleuza do Gigante, e convocou a tripulação oficial do Entre Pólos, depois ligou pra Magda do Lalau (amigos e tripulas do Planeta Água) e lascou também a intimação pro churrasco. O Ladislau, quase todo mundo que acompanha nosso blog já conhece, se bem que agora o cara virou o Lalau do Kite, mas isto e outra história.

Quando acordei, me dei conta... Tava todo mundo lá em casa pro churrasco da "Almiranta"... O ajuntamento em questão, visava em primeiro lugar, o combinamento pra levar as filhas, Vitória, Tayná e Martina no tal Planeta Atlantida... Vixe! Em segundo lugar, beber, comer e contar estórias de velejador, não necessariamente nesta ordem.

A churrasqueira lá de casa não esfria nunca, isso mesmo!... De tanto "arrodear" na volta da dita, me tornei um quase churrasqueiro. Hoje me meto a tecer alguns comentários e até chego a algumas conclusões sobre esta arte. Na verdade, incluo o feito de assar um churrasco caseiro, entre uma das coisas mais delicadas e melindrosas deste mundo. E, ao mesmo tempo deveras, mui relaxante.

Isso, porque aqui na Republica Riograndense todo mundo entende de no mínimo duas coisas: ou é metido a técnico de futebol ou a fazer churrasco. Até tem aqueles que sabem, e tem também os outros... E é praticamente impossível, a gente ver alguém fazendo um churrasco e não dar pelo menos um palpite. O bom churrasqueiro sabe que, se aceitar o primeiro pitaco... Vai ter que aturar os chatos-pitaqueiros até o fim dos trabalhos.

A coisa já começa na hora de acender o fogo.

-Tu tens aquele coiso pra colocar embaixo, aquele que fica pegando fogo?

-Com a Zero Hora! Pega os classificados!

-O 2º Caderno, não!!!

-Se tu não abanar, não vai pegar. Vai por mim.

-Tu botou muito carvão. Vai abafar o fogo. Taí, eu não disse?

-O fogo tá muito alto. Joga água!

-Não te disse pra não jogar água ? Olha aí, apagou.

-Tu não abanou. Dá licença?

A churrasqueira tá que parece filial do inferno, um braseiro lindo que só vendo. Os "broders" já tão na segunda caipirinha, a mulherada tá la do outro lado. Se tem uma coisa que mulher não entende é de churrasco. Elas participam no máximo, com a salada e os gritos: amor, quando tiver ficando pronto avisa pra gente por a mesa.

Nesta hora a coisa fica feia mesmo, é uma chuva de palpites e pitacos:

-Se eu fosse tu, colocava o salsichão pra baixo.

-O que??? Tu vai fatiar a picanha? Que barbaridade!

-Olha aqui, sem querer ser chato, mas eu acho melhor tu colocar a gordura pro lado debaixo. Depois tu vira. E não vira mais.

-O problema do lombinho é que demora mais. Tem que ficar embaixo. Muita gordura, tchê.

-Tu tá vendo? Pinga a gordura e o fogo endoidece. Assim não vai dar. Joga água.

-Limão? Na costelinha?

-Tchê, aquela linguiça ali já não esta boa? Cadê o pãozinho com alho?

-Mas não fui eu quem ficou de comprar o pão. Marta! Não tem pão!!!

-Me dá licença? Posso virar o galeto? O que é isso que tu colocou aqui? Orégano? Mas tchê, tu ta loco!!!

O churrasqueiro ta pronto pra enfiar um espeto na barriga do chato-pitaqueiro, quando chega a gurizada:

-Já tem salsichão, pai?

-Já disse que eu chamo. Tu é surda?

É quando chega aquele "broder" retardatário, o Lalau do Kite e, antes de me cumprimentar...

-Esse fogo tá muito alto. Com licença. Fernando, se tem uma coisa que eu entendo é de churrasco. Deixa comigo! Quem é que tá fazendo caipirinha? Muito açúcar. Tá um melado isso aqui.

-Põe mais carvão, Gigante.

-Queimei o dedo!

-Sei não, eu, por mim, virava esta picanha. Vai ficar seca, tchê.

-Tu tens que comprar uma faca boa. Olha aí! Isso aqui tá estragando a carne.

-Marta, cadê a faca boa? Aquela que o teu pai me deu?

-Cuidado que tá quente, filha. Eu não te disse? Tu não me ouve...

E por aí vai, até escurecer... O fogo da churrasqueira se apagar e o nosso passar.

Tenho uma teoria psicanalítica... A de que quem faz churrasco, não precisa fazer terapia. Os grandes churrasqueiros e os outros, são todos pessoas muito bem resolvidas. E é verdade, pois colocam avental com uma feminilidade cativante. Ficam, dois ou três homenzarrões abraçados, olhando por horas e horas para o fogo ardente, brigando e discutindo como se fossem marido e mulher. Já notou? Já notou quando um queima o dedo, com que carinho é tratado pelos outros? Já vi barbudo chupar o dedo do outro ali, ao lado das brasas da amizade.

Se não existisse o churrasco caseiro, os homens seriam muito mais tristes, muito mais violentos. Fazer um churrasco, resolve todos os problemas da firma, do casamento e dos filhos. Os homens viram heróis de si mesmo.

8 comentários:

  1. Fê,
    Ficou divertido e gostoso de ler, a foto então, ficou um "colosso" de tão linda.

    beijo

    ResponderExcluir
  2. "Almiranta"

    Tentamos dar nosso melhor como escriba...

    Beijo

    Fernando

    ResponderExcluir
  3. "kkk", muito bom! Fernando, è mais facil fazer um bom churrasco que lidar com os palpiteiros de plantao! Bota terapia nisso!
    Faltou uma foto da churrasqueira!

    Boa sorte sempre!!!

    Luiz e Mauriane

    ResponderExcluir
  4. Olá Luiz e Mauriane!
    Que bom ver o comentário de vocês... Gente, realmente foi uma falha não ter batido uma chapa da churrasqueira.
    Abraços e bons ventos!
    Família Planeta Água

    ResponderExcluir
  5. Parabens Fernando pelo texto!
    Mito divertido, dei um bocado de risadas e minha mulher me identificou de cara como palpiteiro de churrasco,ainda mais sendo gaucho e morando em Natal.Não asso nada mas dou palpite como se tivesse nascido em Nova Brescia rsrsrs.
    Vou aproveitar a visita ao teu blog e piratear a materia sobre a cobra para o meu blog(papodevelejador.blogspot.com).
    Abraço e quando aparecer em Natal vamos combinar um churrasco,tu assa e eu dou palpites.

    ResponderExcluir
  6. Caro Antonio,

    Fico satisfeito em saber que você gostou desta crônica. Fica a vontade para piratear do nosso blog o que você achar interessante, só não esqueça dos créditos...Kkkkkk! Pode ter certeza que em nossa próxima passagem por Natal, vamos entrar em contato com você, quem sabe até solicitar seus palpites em um churrasquinho.

    ResponderExcluir
  7. Ta combinado.
    Abração pra todos ai!

    ResponderExcluir