sexta-feira, 28 de maio de 2010

Crime Ambiental no Saco do Céu - Atualização I

A propriedade do espólio de Castor de Andrade no Saco do Céu: casas (embaixo na foto) e área desmatada (em cima) / Foto de Custódio Coimbra - O Globo
Os responsáveis pelo desmatamento de um pedaço da Área de Preservação Permanente (APA) dos Tamoios, dentro de uma propriedade do espólio do bicheiro Castor de Andrade, na Ilha Grande, em Angra, serão acusados por seis crimes, cujas penas, somadas, chegam a 17 anos de prisão. A informação é da delegada Juliana Emerique de Amorim, da Delegacia de Polícia do Meio Ambiente (DPMA), que, após ir até o local, no último dia 14, instaurou inquérito para investigar os crimes. A delegada disse que aguardava resposta para identificar o dono da área.
Nesta quinta-feira, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) encaminhou à DPMA cópia do auto de constatação emitido em agosto passado em nome de Carmem Lúcia de Andrade Iggnácio, filha de Castor e mulher de Fernando Iggnácio, acusado de ser mandante de homicídios na disputa pelo controle do mercado de caça-níqueis no Rio. No mesmo dia, policiais do Batalhão Florestal e do Meio Ambiente (BPFMA) da Polícia Militar detiveram o caseiro da propriedade. Paulo Brito foi detido porque era o responsável no momento. Os administradores do espólio não foram localizados. Segundo o Ibama, chega a 2,38 hectares (23.800 metros quadrados) a área que estava sendo devastada. A extensão do desmatamento - bem maior que os mais de dez mil metros hectares noticiados inicialmente pelo GLOBO - foi informada pelo superintendente do Ibama no Rio, Adilson Gil, com base nos dados de uma multa de R$ 21 mil aplicada em dezembro pelo órgão.

Desmatamento criminoso no Saco do Céu, Ilha Grande, Angra dos Reis.
A detenção aconteceu durante vistoria da polícia e de técnicos do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e do Ibama. Os agentes constataram que o desmatamento continua. Um eletricista que trabalhava no local também foi detido e levado, num helicóptero do Grupamento Aeromarítimo da PM, para a 166ª DP (Angra). Depois de prestarem depoimento, os dois foram liberados. Os PMs constataram que um manguezal continua sendo aterrado e que estão sendo feitas obras, sem licença, para a instalação de uma rede de energia subterrânea.
O comandante do BPFMA, tenente-coronel Mário Fernandes, disse ter tomado todas as medidas repressivas necessárias para frear o desmatamento. Os agentes voltaram ao local pela terceira vez para verificar se houve aumento da área devastada. Segundo Fernandes, a primeira vez foi em 16 de novembro, em apoio a fiscais do Ibama que constataram o dano ambiental, autuaram os proprietários e encaminharam o auto ao Ministério Público Federal (MPF), que instaurou inquérito para punir, no âmbito federal, os responsáveis pela devastação.
O secretário de Meio Ambiente de Angra, Marco Aurélio Vargas, disse que fiscais do município acompanharam os agentes do Inea e não lavraram autos de infração para não ocorrer sobreposição de ações, já que os autos já tinham sido lavrados pelo Inea. Vargas disse que não houve qualquer pedido de licença de obras para o local degradado.
O MPF informou que foi instaurado inquérito para apurar responsabilidades pelo desmatamento e obrigar os responsáveis, através de medida judicial, a recuperar a área desmatada.

Clareira aberta criminosamente no Saco do Céu, Ilha Grande, Angra dos Reis.
A secretária estadual do Ambiente, Marilene Ramos, disse, por sua vez, que poderá embargar e até demolir a obra. Segundo ela, além de serem novamente multados, os responsáveis serão obrigados a apresentar um plano de recuperação da área:
- Vamos aplicar nova multa e aumentar seu valor.
O presidente do Inea, Luiz Firmino, disse que não tinha conhecimento do aumento da área devastada:
- A lei só permite multa direta de R$ 28 mil, mas o conselho diretor pode deliberar valor maior considerando o local. Vamos aumentar este valor para doer no bolso.
A area devastada é muito maior do que um campo de futebol.
O diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas do Inea, André Ilha, disse que o próximo passo será o embargo definitivo da obra pela coordenação geral de fiscalização e, depois, partir para ação judicial demolitória.
A respeito disso tudo, o colega da ABVC Lauro Valente, declarou muito bem:
-AAAaahhhhhhh!!!! Agora sim!!!!! Prenderam o responsável!!!!! A culpa é do caseiro!!!!!! ...Esse país é uma vergonha mesmo !
E você, o que acha disso tudo ?????
Fonte: O Globo e Lauro Valente (Grupo ABVC)

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Crime Ambiental no Saco do Céu

O maravilhoso Saco do Ceú na Ilha Grande, Angra dos Reis, RJ. - Brasil
Mais uma vez o Saco do Céu é assunto neste blog, agora o paraíso esta sendo vítima de um monstruoso crime ambiental. Em novembro do ano passado, chegávamos mais uma vez ao Saco do Céu, e na Enseada das Estrelas antes de deixarmos a Ponta do Céu por boreste, uma enorme clareira na mata entre a Praia de Fora e a Ponta do Rapozinho nos chamou a atenção. Estava ali bem na nossa proa, como se um gigante tivesse dado uma dentada naquele pedaço de mata atlântica.
Depois disso, estivemos por lá mais duas vezes, a última na semana passada entre os dias 16 e 21. Já havíamos estranhado a tal clareira no final do ano passado, desta feita, eu e a "Almiranta" resolvemos caminhar até a praia da Feiticeira na Enseada das Estrelas, e acabamos passando pela área que foi criminosamente desmatada. Realmente é um absurdo o que "estão fazendo" (pois havia um bom número de homens trabalhando) a dita obra se foi embargada foi só no papel. Impressiona a quantidade de árvores que foram derrubadas. É um crime bárbaro que esta sendo cometido a luz do dia, nas nossas caras...
Estamos falando de um pedaço exuberante da Área de Preservação Ambiental (APA) dos Tamoios, na Ilha Grande, que ganhou em menos de oito meses uma clareira do tamanho de um campo de futebol. Registros fotográficos feitos de agosto a abril mostram o avanço significativo do desmatamento na Praia Negra, na Enseada do Saco do Céu, um dos pontos mais charmosos de Angra dos Reis. Mais de dez mil metros quadrados de mata já foram queimados próximo à praia, numa área pertencente ao espólio do bicheiro Castor de Andrade, morto em 1997, e administrada por sua filha, Carmen Lúcia de Andrade Iggnácio, mulher do contraventor Fernando Iggnácio.
As autoridades já têm conhecimento do crime ambiental, mas ainda não conseguiram combatê-lo. O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) embargou a obra em 11 de agosto passado, mas as fotos revelam que a filha de Castor ignorou a decisão. No mês passado, outra fotografia aérea tirada do local mostra que o desmatamento duplicou — em agosto eram quase cinco mil metros quadrados.
As fotos mostram que as árvores no entorno da área desmatada encobrem a destruição. Segundo o coordenador geral de Fiscalização do Inea, Carlos Fonteles, além do desmatamento da área, também conhecida como Ponta do Rapozinho — a região desmatada chama-se Sítio da Raposinha , houve a retirada, até aquela data, de cerca de cinco mil metros cúbicos de saibro.
Na região, comenta-se que aquele naco de mata pertence a Fernando Iggnácio, acusado de ser mandante de vários assassinatos na guerra dos caça-níqueis com seu cunhado, Rogério Andrade. A área, de 97.087 metros quadrados, com duas mansões projetadas pelo arquiteto Zanine, pertence às filhas de Castor, Beth e Carmen. Em Angra, o jogo do bicho é controlado por Cesar Andrade.
Em 12 de fevereiro, sábado de carnaval, uma equipe do Batalhão de Polícia Florestal e de Meio Ambiente (BPFMA), comandada pelo tenente Ronaldo Sabino, também flagrou o desmatamento. A equipe observou vestígios de queima de um manguezal (vegetação típica da região) numa faixa de 30 metros de largura por 160 de comprimento, além do plantio de grama na área já desvastada. O militar não pôde entregar a notificação de infração porque Carmen havia machucado um tornozelo e precisou ser levada a uma clínica médica. Mas esteve na 166ª DP (Angra) para fazer o registro de ocorrência 635/2010 por crime ambiental. No mesmo dia, a delegacia solicitou um laudo pericial, que até hoje não foi feito por “falta de barco”. É ou não é uma piada ?
O delegado Francisco Benitez Lopes disse que o BPFMA já foi avisado de que, em casos como este, deve aguardar a chegada de um perito.
— Temos aqui 365 ilhas e nenhuma lancha. Vamos lá como? A nado? Os policiais do Batalhão Florestal sabem que têm que aguardar o perito para levá-lo de lancha. Estamos aguardando o laudo pericial para encaminhar o RO para o Jecrim (Juizado Especial Criminal). Mas o perito tem que ser levado — explicou o delegado, referindo-se ao órgão da Justiça responsável pelo julgamento de crimes de baixo potencial ofensivo. Mas o dano já está feito.
— Eles (os donos) terão que apresentar um Plano de Recuperação de Área Degradada (Prad) feito por um especialista. Mesmo assim, a área só será revitalizada em 30 anos — calculou Fonteles.
O Ministério Público federal em Angra tomou conhecimento e aguarda uma resposta do Ibama sobre a competência da área — se federal ou estadual.
Na ocasião, o Inea emitiu o auto de constatação 1.921, assinalando os artigos 10 (agravantes); 46 (dano direto a alguma unidade de conservação); 49 (extrair de florestas consideradas de preservação permanente, sem prévia autorização, pedra, areia, cal ou qualquer espécie de minerais); e 57 (destruir ou danificar florestas nativas ou plantadas, protetora de mangues, objeto de especial preservação) da lei 3.467/2000. Esta lei dispõe sobre as sanções administrativas acerca de condutas lesivas ao meio ambiente no estado.
O Inea quer, agora, levar o caso ao Conselho Diretor do instituto (Codir) para que decida sobre o aumento do valor da multa. Pelos crimes listados, a multa deveria ser de, no máximo, R$ 28.700. Fonteles quer aumentar o valor para até R$ 50 milhões, valendo-se do artigo 99 (quando as infrações puderem resultar em destruição significativa da flora).
E blá, blá, blá... É de enlouquecer qualquer cidadão sério! Vamos ver se esta estupidez, também vai acabar em pizza! Qual a sua opinião ?
Fontes: Grupo ABVC, O Globo e Tripulação do Veleiro Planeta Água.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Xô Uruca !!!

Fomos dar uma velejada na Ilha Grande em Angra... E, bastou a gente se afastar mais uma semaninha, para na volta sermos bombardeados por noticias tristes.

A morte do "Manfredão" (foto ao lado), ex-comodoro do Veleiros do Sul de Porto Alegre foi a primeira. Manfred Flörike faleceu no dia 16 aos 70 anos, partiu do "Manfredão" como era conhecido, o convite para nos associarmos ao VDS. Nossos sinceros sentimentos ao "Manfredinho" (filho) e família.

Abrindo os exatos 355 e-mails que recebi nesta semaninha que ficamos fora... Explico, a conexão na Ilha Grande é muito ruim e só consegui terminar de ler todos hoje! Me deparei com a mensagem abaixo do Zanella (Veleiro Guga Buy) que diz:

O "bicho pegou" aqui em Florianópolis ontem à noite! 18/05 - Choveu o dobro do que choveria durante todo o mês de maio, só numa noite. Um amigo, cujo veleiro se encontrava em Jurerê, assustado, foi até lá e ficou a noite toda no barco, para agir caso garrasse. Disse que haviam ondas de dois metros de altura, que cobriam o pier do Iate Clube Veleiros da Ilha e ventos de 50 kt. Três barcos foram dar na praia, em Jurerê: o Aysso, do Schurmann, o Taura (Bahamas 40') que teve a quilha arrancada e uma lancha, que pertence a um velejador. Esta, ao que parece, teve perda total.

Que Netuno nos proteja! Zanella - Veleiro Guga Buy

O "Aysso" na areia em Jurerê, SC.

Tinha também outro "mail" sobre a desventura do veleiro argentino "BabySac", integrante do Crucero de La Amistad, inscrito no CCL 2010 e REFENO. A bordo o casal Silvio Augusto Carpovich, 56 anos e Blanca Azucena Bella, 55 anos, eles ficaram a deriva (o BabySac perdeu o leme) durante 39 horas até serem resgatados pela Marinha e levados em segurança até o Rio Grande Yacht Club. Abaixo o "BaySac" sendo rebocado para a segurança do RGYC.

E tinha mais, mas chega de Uruca !!!

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Um brinde na linha imaginária do Equador

Ademir "Gigante" de Miranda e Fernando Maciel, brindando a passagem pela linha imaginária do Equador a bordo do Veleiro Entre Pólos.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Cruzeiro da Amizade 2010

O Crucero de La Amistad 2010, partiu de Buenos Aires no último sábado dia 08 de maio. O grupo de velejadores argentinos com 32 barcos inscritos, esta sob o comando de Carlos Salvaochea (Gipsy Wind). A flotilha já esta em Punta del Este. Para saber mais http://www.crucerodelaamistad.com/ Matéria detalhada sobre o cruzeiro AQUI - Track dos "hermanos" AQUI.

domingo, 9 de maio de 2010

Mais uma vez em Bracuhy, Angra dos Reis

A "Almiranta", Saco do Céu - Ilha Grande
Abril/2010 - Do Diário da Almiranta
Estamos em Bracuhy, Angra dos Reis... Já se passaram mais de 05 meses desde a nossa última visita a nossa casinha flutuante. Chegamos loucos para dar um velejo pelas ilhas, mas como de costume, havia muito a ser feito antes de soltarmos as amarras. De imediato fomos surpreendidos pela falta de carga nas baterias, o carregador de baterias havia queimado, a energia fora conectada equivocadamente em 220V. Depois de dois dias de bastante trabalho, consertos, manutenções e prejuízo, finalmente definimos nossa saída, seria na manhã seguinte dia 21 de Abril, Quarta-feira.
Enquanto o comandante administrava os trabalhos que envolveram: marinheiros, eletrecista, técnico em eletrônica e veleria... Eu tratei de arrumar o que fazer, fui até o Empório para alugar alguns filmes, pois adoro o acervo de filmes épicos que possuem. Lélia, terminou nos convidando para o tradicional "Happy Hour" do Empório que aconteceria logo mais a noite. Ficamos muito felizes em rever alguns amigos queridos como: os simpatissisimos Ícaro, Waldemar, Lunardi e Hélio entre outros.
Quarta-feira - 06:00h, Soltamos as amarras rumo ao Saco do Céu na Ilha Grande, lugar de parada obrigatória para nós. Já nos acostumamos a chamar o Saco do Céu de nossa casa, tamanha simpatia e carinho que temos pelo maravilhoso abrigo. Pouco depois da chegada, o comandante já preparava "aquele" churrasquinho à bordo, é claro que acompanhado de umas bebidinhas. Pernoitamos ali mesmo, e na Quinta-feira resolvemos ir para a Praia do Pouso fazer a trilha até a famosa Lopes Mendes, dica de um novo amigo, Felipe do veleiro "Verona". Encontramos o Felipe ainda no Bracuhy e ele havia acabado de chegar de lá.

Praia de Lopes Mendes, Ilha Grande
Descobrindo a praia de Lopes Mendes... Trilha de mais ou menos 35 à 40 minutos, ficamos impressionados com o número de visitantes das mais variadas nacionalidades. Tomamos banho em um mar impressionantemente cristalino, levei até um caldo, as ondas estavam fortes e havia muitos, muitos pequenos buracos na paradisíaca Lopes Mendes. O comandante registrou tudo em sua inseparável câmera fotográfica. De volta a praia do Pouso, caminhamos até a prainha de Mangues logo ao lado. Antes de voltarmos para o barco, exauridos das caminhadas e sedentos por uma cervejinha, não resistimos ao bar flutuante "Brasil 500" que fica na praia do Pouso. Paulo, um dos sócios do flutuante, foi extremamente atencioso e gentil com a tripulação do Planeta Água.

Surpresas curiosas na trilha para Lopes Mendes, Ilha Grande
Hora de voltar para casa (Saco do Céu). Desembarcamos no Coqueiro Verde e deixamos o pedido de nosso prato favorito, "Risoto de Camarão", para ser entregue à bordo para o jantar. O risoto de camarão do Coqueiro Verde é de comer de joelhos, acompanhado de um bom vinho tinto então é um luxo.

O Risoto de Camarão do Coqueiro Verde
Sexta-feira, iniciamos nossa retorno para o Bracuhy, antes uma parada na praia da Tapera que fica na enseada Sítio Forte, ali , como não poderia deixar de ser , encontramos alguns veleiros conhecidos. Caminhamos pela praia, mais alguns registros fotográficos e, batida de Leite da Macaca com isca de peixe (excelente) no quiosque da Telma. O tempo já estava mudando e decidimos retomar nossa navegação, retorno tranquilo. A noitinha, caprichei numa caipirinha e fiz uma pizza de churrasco.
Na manhã de sábado, nos despedimos de nosso lar flutuante, e pegamos a estrada agora rumo a nossa casa oficial em Garopaba. Desta vez resolvemos voltar via Ubatuba, e de lá subir a serra até Taubaté, mas antes, visitamos São Luis do Paraitinga, cidadezinha do interior de São Paulo, recentemente inundada pelas fortes chuvas e a cheia do rio. O casario histórico foi semi-destruído, e a igreja matriz não resistiu e veio abaixo. Tivemos o privilégio de presenciar um cenário digno de pessoas de fé e perseverança, uma missa estava sendo celebrada na praça da matriz, o coreto era usado como altar, e centenas de pessoas cantavam e louvavam a Deus. Muito bonito e emocionante.
Fim da folga! Satisfeitos e gratos pelo descanso, e pela oportunidade de presenciar cenas como as que já citei, e acima de tudo, por chegar com segurança em casa e reencontrar nossa filha.
Artigo relacionado AQUI

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Velejando com o Delta 26' Planeta Água

video

Vídeo de nosso saudoso Delta 26' Planeta Água.

Ladislau Szabo e Fernando Maciel, balonando na Lagoa dos Patos rumo a Pelotas/RS. O saudoso Deltinha 26', foi nosso valente parceiro em muitas aventuras.

domingo, 2 de maio de 2010

O Saco do Céu com Poluição Sonora não combina!

Que o Saco do Ceú é um lugar muito especial, disso todo mundo que navega pela baía da Ilha Grande sabe! Excelente abrigo de natureza exuberante, onde é possível passarmos momentos inesqueciveis a bordo de nossos barcos. Mas... Em nossa última passagem por lá no mês passado, depois de um dia maravilhoso, um jantarzinho e um filminho nos entregamos nos braços de Morpheu. Passava das 24:00h quando fomos acordados de forma ignorante por três lanchas que estavam amadrinhadas (a contra bordo uma da outra). Juntas pareciam a nave do filme Contatos Imediatos de 3° Grau, de tanta luz acesa, algumas estrobos. Fundearam entre uma dúzia de adormecidos e silenciosos barcos, a 30 metros do Planeta Água com um som absurdamente alto. Musica Sertaneja, Eletrônica, Bate-Estaca... E os "Ji'diotas" quebraram o encanto e a paz do lugar.
O casco do Planeta Água vibrava com o som, nosso salão branco, parecia um estúdio fotográfico refletindo as luzes estroboscópicas como se fossem flashes. Acordados eu e a Almiranta saímos para o cockpit para assistir a baderna. Bebidas, algazarra, dança, havia gente de todas as idades nas naus da zorra. Lancheiros nos tiram do sério por sua arrogância, irresponsabilidade, falta de educação, falta de consciência (inclusive ecológica) e solidariedade. São... Que me perdoem os bons e conscientes navegadores motorizados, que são minoria, mas existem... A "praga" do mar. Aliás, uma praga de terra, que de mar essa gente medíocre não tem nada; nem conhecimento, nem amor e muito menos respeito. Compram seus brinquedos barulhentos para compensar alguma deficiência emocional! Ou será física? Freud que explique!... E dane-se quem estiver na frente ou perto deles. Nem fundeados são capazes de se comportar educadamente (já que navegando nós velejadores sabemos bem do que são capazes...). Alguns carregam junto suas lanchas de bolso, o jet ski, outra maldição quando mal usado, fazendo todo aquele barulho e todas aquelas marolas no fundeadouro.
Perdoem-me pelo desabafo, mas creio que este assunto é de interesse de toda a comunidade náutica, e que este também chegue aos usuários de lanchas. A imagem deles está péssima junto aos outros navegadores e não é por preconceito, e sim por pós conceito.