quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Estamos em Garopaba, SC. - Brasil

Vitória no quintal de casa em Garopaba

Estamos em casa, de volta a Garopaba e, como já foi dito por aqui, Garopaba é a base oficial da família Planeta Água. Passamos o Natal no RS., com direito a mamãe, titia, cachorro e galinha... No dia 25 mesmo, por volta das 16:00h estacionávamos em frente ao nosso QG. Até hoje pela manhã, curtimos dias de muito sol, calor e mar clássico. A baía de Garopaba com ventos do quadrante sul, fica especialmente linda.

Dos três churrascos programados até a festa da virada incluindo aí o do reveillon, comunicamos que o primeiro já rolou... Na verdade foi um galeto, muito bem preparado pelo Nelson Rech, irmão da "Almiranta", desnecessário dizer que: tava de comer ajoelhado.

Garopaba, esta mais uma vez lotada, é muita gente bonita! Gatinhas e gatinhos, gatas e gatos, gatias e gatios e, os não menos belos, as gastinhas e os gastinhos. Tem cara metade pra todos os gostos e idades, é só ter paciência que você vai encontrar a tampa pra sua panela.

Hoje amanheceu um dia nublado, vez por outra, cai uma garoa fininha. O vento, continua do quadrante sul, pra ser mais exato SE e, o mar esta espetacularmente verde esmeralda. O surf é a boa pedida pra estes dias, fora o surf, praticamos aqui muita "nadação". Na continuação mandamos mais noticias. Já voltamos !!!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Feliz Tudo !!!

A todos os nossos amigos, tudo de bom e um feliz tudo...
Fortes abraços
Fernando, Marta e Vitória

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Regata para o paraíso - XXII REFENO

O Planeta Água em Fernando de Noronha

Regata para o paraíso

REFENO 2010 - XXII - Início, Meio e Fim...

por Fernando Maciel

Mais uma vez estamos no Recife prestes a iniciar mais uma REFENO. Acho, não, tenho certeza de que não é a primeira vez que escrevo isso desta forma! Bem, se não me falha "as memória", são nove, é, com esta vão ser nove vezes em Noronha, e isto, é tudo de bom. Feliz de quem tem a sorte de desembarcar na Ilha de Fernando de Noronha uma vez, se for mais de uma então, o cara é um sujeito abençoado.

O clima que antecede a uma REFENO, é algo que não se pode explicar, tem que ser vivenciado. As expectativas de uma travessia de aproximadamente 300 milhas náuticas, fazem as cabeças de comandantes e tripulantes menos calejados darem loopings radicais. Nestes dias aqui no Cabanga, podemos sentir claramente isso. Todos são contaminados por um vírus que excita, aguça, e até por que não confessar... Amedronta, é a mais pura adrenalina, bem a flor da pele.

A flotilha de barcos oriundos do sul do Brasil, é a maior de todas as edições da REFENO, são aproximadamente 16 veleiros, mais um outro tanto de velejadores sulistas, que estão embarcados como tripulantes em diferentes veleiros de vários estados. Os churrascos, acontecem quase diariamente, cada barco conhecido que chega é motivo pra tacar fogo nas churrasqueiras do Cabanga. Nos raros dias em que não rola algum churrasco, a pedida é o pequeno e bom restaurante da Dona Lindalva, ali mesmo, dentro do Cabanga e em frente a palhocinha. No restaurante da Lindalva, não tem vez pra apressadinho, tudo funciona num ritmo diferente, um tanto mais lento do que estamos acostumados, mas, a simpatia do seu Lindalvo (esposo da Lindalva, que ninguém sabe o nome, e por isso, virou Lindalvo), e de toda a equipe, compensa aquela agonia que da em ver tudo acontecendo em slow motion.

Tripulação momentos antes da partida do Cabanga para o Marco Zero

Um a um, os barcos vão chegando para participar da regata para o paraíso. A 22ª edição da Recife-Fernando de Noronha atraiu mais de 133 veleiros, mas, apenas 96 embarcações chegaram a ilha, entre eles os veleiros gaúchos, Easy Going do comandante Joel Raymundo, Entre Pólos do comandante Ademir "Gigante" de Miranda, Kalymera V do comandante Antonio Carlos Paes Leme, Planeta Água deste humilde escriba, Rebojo 1 do comandante Ernesto Pires, Rekantu's do comandante Nilson Marques Vieira, Riacho Doce do comandante Paulo Silveira, ToaToa do comandante Raul Barbosa Junior e o Uranus do comandante Carlos Froner, velejaram do Rio Grande do Sul até Recife apenas para participar da regata. Com exceção do Entre Pólos que viajou sozinho, todos os demais veleiros gaúchos, chegaram à capital pernambucana integrando duas grandes flotilhas, a primeira chamada Crucero de La Amistad, que veio desde a Argentina. A cidade do Rio de Janeiro, foi o ponto de encontro das duas flotilhas, na cidade maravilhosa, o Crucero de La Amistad se juntou ao Cruzeiro Internacional da Costa Leste. Todos tinham um só objetivo: participar de mais uma Refeno, a tradicional regata Recife-Fernando de Noronha, que nesta edição completou 22 anos, e por isso mesmo merecia tê-los entre os inscritos.

Disputada muitas milhas ao norte do tradicional circuito gaúcho de vela, a Refeno reúne, em uma semana inteira de confraternizações, uma mistura enorme de sotaques, sotaques oriundos dos mais diversos recantos da Terra. Impossível não ficar impressionado com as dimensões de um evento que nasceu despretensiosamente há duas décadas, e que hoje atrai mais de 500 velejadores, boa parte deles investindo no prazer próprio de uma grande velejada. Recife não é Ilhabela, mas, em época de Refeno, parece muito. Foram quase três dias de fortes ventos e um mar com grande ondas, pra compensar, teve também muitas festas e muita curtição, já que acima de tudo, esta competição serve como artifício para todo mundo ir velejando até a ilha mais bonita do Brasil. O primeiro veleiro a chegar em Fernando de Noronha foi o trimarã Ave Rara que fez a travessia em 22 horas e 45 minutos. Nossos representantes também fizeram bonito, o Planeta Água percorreu às 300 milhas náuticas que separam Recife de Fernando de Noronha em 39 horas e 34 minutos, e passou a ser chamado carinhosamente pelos comandantes amigos de bixo papão da REFENO 2010. Foram cinco premiações, cinco subidas ao pódio:

  • 2° Lugar Classe RGS C
  • 1° Delta 36' Classe Delta 36'
  • 1° Barco do Costa Leste a chegar em Noronha
  • 1º Lugar Taça Carlos Alberto Ciarlini
  • 1° Barco Associado da ABVC a chegar em Noronha

Hora da festa, sobrou euforia e felicidade na premiação em Noronha

Veja abaixo o desempenho dos demais barcos gaúchos:

  • O veleiro Easy Going chegou em 5º lugar na RGS E.
  • O veleiro Entre Pólos chegou em 2º lugar na classe Aço A.
  • O veleiro Kalymera V chegou em 2º lugar na classe ORC CLUB.
  • O veleiro Rebojo 1 do comandante Pires de Jaguarão, ganhou o Troféu de barco procedente do lugar mais distante do Recife.
  • O veleiro Rekantu's chegou em 2º lugar na classe Aço B.
  • O veleiro Riacho Doce chegou em 6º lugar na RGS C.
  • O veleiro Uranus chegou em 3º lugar na RGS D.

Para ver a classificação geral por tempo real clique AQUI

Para a maioria dos participantes da Refeno, o verdadeiro prêmio é poder curtir intensamente a ilha. O melhor prêmio é estar em Noronha! Noronha não é grande, tem menos de uma dúzia de quilômetros de extensão, mas consegue a proeza de reunir um espetacular cardápio da natureza, com praias completamente diferentes, embora uma ao lado da outra. Há largas faixas de areia, minúsculas baías, praias com ondas fortes ou tranqüilas piscinas. Você escolhe qual tem mais a sua cara, mas com a certeza de que ela estará sempre vazia. E é isso também o que a maioria dos velejadores que participam da Refeno buscam. Afinal, a grosso modo, os amantes do mar só tem duas maneiras de chegar lá: a bordo de um navio de passageiros ou como participante da Refeno. O único problema é que, tanto uma opção quanto a outra, só acontece uma vez por ano: os navios no verão e a Refeno em setembro. Por sorte, todo o mês de setembro. E, no ano que vem, tem mais.

Fernando Maciel comandante do Planeta Água o Bixo-Papão da XXII REFENO

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Babado Forte... Deu no blog do Tangata Manu

Ricardo Amatucci, comandante do Veleiro Tangata Manu e ex presidente da ABVC durante o VI Encontro Nacional da ABVC.

Pois é... o conhecido fotógrafo Hector Echebaster, na verdade não se chama assim e está preso para extradição, acusado de tortura e crimes contra a humanidade. Escondido há 15 anos no Brasil, agora foi descoberto... Pra quem quiser os detalhes... http://tangatamanu.wordpress.com/

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Veleiro Planeta Água o bixo-papão da REFENO 2010 - XXII

REFENO 2010 - XXII Imagens da premiação para a Classe RGS C. Clique nas imagens para ampliar.

Classe RGS C: 1º Lugar Veleiro Moleque - SC 2º Lugar Veleiro PLaneta Água - RS 3º Lugar Veleiro Venestal IV - PE

A tripulação eufórica com bandeira do RS e flâmula do ICG. Da esquerda para a direita: Emílio, Vitória, Fernando, Magda, Ladislau e Marcelo.

Planeta Água sail team posando pro retrato oficial.

Tripulas do Planeta Água fazendo a festa. Da esquerda para a direita: Jonas, Emílio, Vitória, Fernando, Magda e Ladislau.

sábado, 4 de dezembro de 2010

Escola de Remo

Imagem enviada por Ivan e Egle do Veleiro Taai-Fung II

O Curso de remo é uma oportunidade para quem nunca remou possa, de um modo simples e rápido, aprender o mais básico sobre a modalidade. E então, vai encarar as aulas com o professor Miudinho ? Interessados deixar mensagens no espaço para comentários, logo abaixo.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Na volta de Fernando de Noronha - Imagens

Na volta... Fernando de Noronha ao Recife - Clique nas imagens para ampliar

Lalau e Magda... Cabe aquele chavão: O amor é lindo!

Emílio "Noronha" Russell ou Mister Noronha - 22 participações em REFENO's

Ladislau Szabo e Emílio Russell

Parte do equipamento de navegação do Planeta Água

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Aviso aos nautas de plantão: cuidado ao abastecer em Salvador, BA !

Imagine muita dor de cabeça... Ficar sem motor e sem vento literalmente a deriva, pois é, a falta de atenção no abastecer pode nos custar bem mais do que isso, e esta custando. Se um dia você estiver em Salvador, BA. Preste bem atenção: não, eu disse não, não abasteça no posto flutuante junto ao Forte São Marcelo, o diesel ali é metade água salgada. Detalhes do infortúnio AQUI. De preferência abasteça no posto da Bahia Marina, costumamos abastecer lá e nunca tivemos problemas. Pra terminar, estamos em Vitória, aguardando a chegada de novos bicos injetores... Vamos ter que troca-los, a água no diesel, acabou danificando um dos três bicos e a orientação da fábrica é que devemos trocar os três. Vamos ficar ligados no combústivel!

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Itaparica, BA. A Ilha do Medo...

Marina de Itaparica, BA.
  • "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantar-se o poder nas mãos dos maus, o homem chega a rir-se da honra, desanimar-se da justiça, e ter vergonha de ser honesto!" (Ruy Barbosa - 1917)

O que estão fazendo com a Bahia ?

Do diário do Avoante

A coisa continua feia nas águas baianas, mas uma vez Itaparica é palco de violência contra velejadores. No ano passado um velejador foi morto a bordo de um catamarã, quando ancorado em frente a Marina de Itaparica. Assaltos são constantes por toda a cidade de Itaparica e efetivamente nada é feito para inibir os bandidos. Ontem mais um caso aterrorizou os velejadores quando um casal de franceses, que retornava da pizzaria, foi assaltado e o homem recebeu várias cutiladas de faca. O bandido fugiu, já sabendo da sua impunidade, e o velejador foi hospitalizado em estado grave. Estão querendo acabar com a Bahia e parece que vão conseguir.

Do diário do Jamaluce

Recebido 07/11/2010 às 08:18h

Relato de um amigo velejador em Itaparica. A Bahia/Brasil continua com sérios problemas de segurança. Já matarem um velejador, o Abel, a bordo de um catamarã ancorado em frente da cidade/marina e assaltos são constantes. Efetivamente nada é feito...

Acabei de pintar o fundo do Jamaluce na parede da bica, e vou seguir viagem para o sul amanhã pela manhã. Ontem, mais uma vez um caso de violência em Itaparica. Um casal de velejadores franceses, ao retornar de uma pizzaria por volta das 2200h, foi assaltado e o homem levou varias facadas e foi hospitalizado aqui em Itaparica. Ate agora ninguém sabe o estado dele. Estão tentando abafar o caso, pois, nem a policia quer dar informações e a administração da Marina não quer falar nada. Aconteceu no cais a uns 100 metros da Marina .

Quando isso vai acabar ?

Colaboração: Lauro Valente, Veleiro Avoante e Jan Ludwig Engels do Veleiro Jamaluce.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

É um veleiro...Ou !?!?!

Vocês vão concordar que esta imagem é no mínimo curiosa, o "veleiro" batizado de Kalahary, foi fotografado no Iate Clube Guaíba, em Porto Alegre - RS. Infelizmente, tentamos localizar o comandante, mas, ninguém soube dar informações de onde encontrar o criativo navegador. Alguém tem ideia, ou até mesmo um pitaco sobre o arranjo feito no Kalahary ? Se a resposta for positiva, deixe seu comentário.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Voltando de Fernando de Noronha - Imagens

Imagens do Veleiro Planeta Água, retornando de Fernando de Noronha. Clique nas imagens para ampliar.

Deixando Noronha na popa. No sentido horário, Marcelo Lopes, Murilo Lima, Jonas Lima, Emílio Russel, Ladislau e Magda Szabo.

Obra de arte do chef Emílio Russel.

Marcelo, impressionado com o prato elaborado pelo chef Emílio.

Magda, na volta de Noronha também mostrou suas habilidades na cozinha do Planeta Água, ela surpreendeu a tripulação com um delicioso bolo.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

A volta - Fernando de Noronha ao Recife - Imagens

Voltando de Fernando de Noronha para o Recife. Clique nas imagens para ampliar.

Rumo ao Recife, mar de almirante na volta da XXIIª REFENO.

Emílio e Jonas, "dando duro" na volta ao Recife.

Chef Emílio, a salvação da tripulação do Planeta Água na REFENO 2010.

Murilo, pai do Jonas, pegou carona na volta para Recife e...

terça-feira, 26 de outubro de 2010

A Velejada de Maceió à Recife - CICL 2010 - LIX

A velejada de Maceió à Recife

by Captain

Setembro 15 - Depois do través da Ponta Verde, Waypoint - 09° 40, 800' S 035° 38, 800' W, a velejada ficou um espetáculo. Vento ESE à SE, variando de 12 a 17 nós, pra tripulação do Planeta Água, um delicioso través meio arribado. De Maceió, capital das Alagoas, à cidade do Recife, capital de Pernambuco, são apenas 121 milhas náuticas. Nesta condição de mar e vento, vai ser uma barbada, nossa expectativa para esta perna é de realiza-lá em 21:00 horas.

Meu relógio, não marcava meio dia quando nos aproximamos da popa do Tangata Manu, Janjão, Ivani, Augustinho e Cris, fizeram a festa... Acenaram, gesticularam e até falaram algumas coisas que, confesso na maioria não entendi, apenas sorri e concordei... Tomara que não tenha sido nada que desabone a pessoa deste capitão! Cris, pendurada a BB do cockpit do Tangata, "retratava" a passagem do Planeta Água. A bordo do Planeta, não era diferente, eu e a Magda também fotografávamos o Tangata, enquanto isso, Ladislau levava o barco na mão. Passamos uma vez deixando o Aladin 30' por nosso BE, Ladislau arribou mais... E o Tangatinha nos passou novamente, mais de uma vez repetimos esta manobra, o resultado foram boas fotos e até vídeos dos dois barcos velejando.

O Paulão e seu Riacho Doce, ficaram pequeninos em nossa popa. Não demoramos a alcançar e passar por outros barcos, o Firulette, o Rebôjo, o Susurro e o Kon Tiki... Não necessariamente nesta ordem. Eram 13:30h quando resolvemos experimentar o gennaker ou assimétrico como vocês preferirem! Não tínhamos utilizado esta vela até aqui, na verdade, ela era um balão simétrico de reserva que mandamos transformar em um gennaker. Sabíamos que após a reciclagem, a vela não seria nenhuma Brastemp, era um aproveitamento, mas, acabou ficando boa! Por mais de uma hora, nos deliciamos velejando com o gennaker, até que... Tum, a adriça partiu, e lá fomos nós arrastando o gennaker pra ver se pegávamos algum peixe desavisado.

O Tangata Manu visto do Planeta Água.

Tudo novamente em ordem, o Planeta Água continuava andando muito bem mesmo sem o gennaker. Assim que o sol se despediu, começamos a rotina dos turnos. Magda, só pra variar, foi dispensada dos turnos. Já diz o chavão: em time que ta ganhando não se mexe, então, vamos de 02 horas pra cada um, "dinovo". Fazendo as contas, estava claro que chegaríamos cedo demais no Recife, não deu outra, mesmo reduzindo os panos, antes das 04:00h da manhã navegávamos no Canal Sul que da acesso a barra e ao porto de Recife. Apesar de navegarmos "frenando" o barco para chegar ao Recife com a luz do sol, levamos menos de 20 horas para fazer as 121 milhas náuticas desta perna.

Setembro 16 - Esperamos o dia amanhecer e satisfeitos navegamos até o PIC Pernambuco Iate Clube, prendemos o Planeta a uma poita e preparamos um merecido café da manhã. Enquanto descansávamos em frente ao PIC, liguei para o Emílio Russel, um grande amigo que fizemos na REFENO 2008. Emílio, vai fazer parte da tripulação do Planeta Água neste ano, pra vocês terem uma ideia, ele foi o único velejador a participar de todas as edições da REFENO, ou seja, 22 vezes. O combinado era eu ligar para ele assim que chegasse ao Recife, a ligação, pra nossa surpresa, foi o start para uma sequência de mimos e mordomias, que nos foram dispensadas durante nossa a estada no Cabanga Iate Clube de Pernambuco. Emílio, é sócio do Cabanga e comandante do veleiro Jangadeiro um Call 9.2', que foi posto em seco para que o Planeta fosse acomodado em seu box, esta foi apenas a primeira das muitas mordomias. Mais adiante eu revelo outras tantas.

Conseguimos fazer boas fotos na passagem pelo Aladin 30' Tangata Manu.

Ainda em frente ao PIC, aguardamos a maré encher um pouco mais e rumamos para o Cabanga. Às 09:30 já estávamos bem acomodados na piscina do Cabanga Iate Clube de Pernambuco, é claro, no box do Emílio. Fomos muito bem recebidos pelo Claúdio marinheiro que cuida do Jangadeiro, mais uma mordomia... Emílio, mais tarde nos disse que é Craúdio, e que o Craúdio, anda de bicicreta mascando chicrete sem bate nas preda.

Este é o Emílio... Que como ele também diz: Não é arroz nem é feijão, é É...Milio, (isto dito com aquele gostoso sotaque pernambucano).

Velejômetro - Até aqui navegamos aproximadamente 1.279 milhas náuticas desde Angra dos Reis, RJ.

Magda e eu, aproveitamos para clicar boas fotos do Tangata Manu.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Blog do Veleiro Planeta Água - 02 Anos

Happy birthday pra nóis tudo! Hoje, o blog do Veleiro Planeta Água completa 02 anos, neste tempo, mais de 37.000 tripulantes embarcaram em nossas andanças. Os elogios, o carinho e as palavras de apoio, nos fizeram navegar até aqui. Com mais de 61000 páginas visitadas, resolvemos listar pra vocês as "top five" do Blog Planeta Água, as cinco postagens mais visualizadas nestes dois anos:
  • 1º Lugar - Paraty Um Encanto De Lugar. Veja AQUI
  • 2° Lugar - Errata Peixes Voadores. Veja AQUI
  • 3° Lugar - Nudez a Bordo. Veja AQUI
  • 4° Lugar - Naufrágios No Atol Das Rocas - IV. Veja AQUI
  • 5° Lugar - De Volta a Ilha Grande e ao Saco do Céu. Veja AQUI

Agradecemos a todos os amigos do Planeta Água, continuem a enviar seus comentários, fotos, dicas e toques. Que venham mais... Muitos anos!

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Vídeo do Veleiro Planeta Água velejando entre Maceió e Recife - CICL 2010 - LVIII

video

O Veleiro Planeta Água, veleja com elegância entre Maceió e Recife, utilizando seu gennaker ou assimétrico como queiram...

Trilha Sonora: Susy e Vitor - Samba do Sim

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Maceió à Recife - Imagens - CICL 2010 - LVII

Imagens da velajada de Maceió/AL à Recife/PE - Brasil. Clique nas imagens para ampliar

O Planeta Água veleja com elegância na foto de Cristina Berringer.

De gennaker ou assimétrico como queiram...

Tripulação do Tangata entretida no cockpit

Por alguns momentos, o Aladin 30' - Tangata Manu, quase desaparecia nas vagas entre Maceió e Recife.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Maceió... Só por terra ou ar, por água nem pensar ! - CICL 2010 - LVI

O fundeadouro...

Maceió... Só por terra ou ar, por água nem pensar!

by Captain

Setembro 10 - Passava um pouco das 09:00h quando resolvemos desembarcar, estávamos todos loucos por um bom banho, não que o banho no barco seja ruim, mas, o que realmente desejávamos, era deixar a água escorrer a vontade sobre nossos corpos cansados de guerra, isto, sem culpa alguma, sem economia. A canoa do "Carlinhos", comandada pelo próprio, é que faz o vai-e-vem barco terra, terra barco. Lá fomos nós, nem sequer sonhávamos com o que nos aguardava, logo ali, na beira da praia.

Antes de conseguirmos chegar até a Federação Alagoana de Vela e Motor, que fica bem enfrente ao fundeadouro, tivemos que literalmente atravessar um mar de lixo, isto mesmo, lixo. E como todo o lixo que se preze, este é fedido e nojento... Pobre da mulherada, Magda, Cris e Ivani, toda vez que tinham que embarcar ou desembarcar, quase tinham um "piripaque".

Pensem em uma coisa absurda, pois é, isto aqui é um absurdo... Caso de polícia, denuncia ao ministério público, e o que mais impressiona é que os "sócios" daqui, entre eles, o Exmo. Sr Fernando Collor de Mello, parecem não mais se incomodar com tal imundície. Não existem palavras ou desculpas, que expliquem, ou mesmo, justifiquem o que vimos e sentimos aqui. Só mesmo as fotos, que estamos postando junto a este texto, vão dar uma idéia desta "M", nossa sorte, é que as fotos "ainda" não tem cheiro.

Muito bem, voltando ao banho... Frio, brbrbrbr! Os banheiros da Federação Alagoana de Vela e Motor, também deixaram a desejar, espartanos demais e pouco limpos. De positivo até agora destaco: meu reencontro com o primeiro Planeta Água e Skol "gelaaaada" na varanda do bar à 2,00 a garrafa.

É claro que não resistimos a barbada, e depois de algumas geladas... Em dois táxis, fomos todos para a Ponta Verde, Janjão e Ivani, Ladislau e Magda, Cris e eu. Ah! Agora sim, Maceió... Aquela dos folhetos, das revistas, dos comercias na tv, assim sim.

O reencontro com o primeiro Planeta Água em Maceió/AL.

Picolés, águas de côco, algumas fotos e uma caminhada pra esticar as pernas. Não acredito no que estou vendo! Um clube náutico na beira da praia... Ali, entre a Ponta Verde e Pajuçara. Que piada cretina, agora, na baixa mar... Toda a estrutura do lugar, esta no seco. Diante de nossos olhos, esta o que restou do Alagoas Iate Clube, amigos que piada de mau gosto. Isto realmente é uma vergonha, pobre de nós Brasileiros que financiamos estas barbaridades¹.

"Crédo", Maceió tá me saindo melhor que a encomenda! Caminhamos da Ponta Verde à Pajuçara, eu e a Ivani nos queixamos pro Janjão: - " Janjão a gente tá cansado". A reclamação, mais manha do que verdade, foi acatada pelo nosso guia Janjão que sentenciou: - "Vamos almoçar, vamos pro Recanto do Picuí comer um churrasco de carne de sol" Táxi, táxi... Fiufiiiii!!

Dei minha primeira nota dez pra Maceió, que delicia o Recanto do Picuí, como diria meu amigo Guto, do Rio Grande Yacht Club: -" Tudo de bom.com".

Terminada a farra gastronômica e etílica, mais uma caminhadinha até a Federação, que, confesso não fica longe. Um pit stop no bar do clube pra saideira, e já combinamos um passeio à foz do Rio São Francisco pra amanhã cedo. Fui o primeiro a voltar pro barco, mas, entre o barco e o clube, esta lá a minha espera, o "merdódromo", assim passei a chamar a faixa de lixo existente entre o Planeta Água e a Federação.

O sol se recolheu magistralmente, e acabou servindo de pano de fundo para uma bela foto que fiz do veleiro Riacho Doce. A cama me chama, estou muito a fim de uma noite de sono tranqüila.

Setembro 11 - 08:00h A turma ta pronta pra conhecer um pedacinho do "Velho Chico", o comandante Paulo Silveira do Riacho Doce, se juntou a este bando de doidos... Lá vamos "nóis" de van pra Piaçabuçu, última cidade as margens do Rio São Francisco, antes do encontro com o mar. Piaçabuçu, é mais um daqueles lugares onde o tempo parou... Rua estreitas, casas simples, povo sorridente. Um mercado publico na margem do rio, é claro, onde se vê de um tudo. Aqui, é o "Velho Chico" que dita o ritmo da vida.

Entre picolés e águas de côcos, Ponta Verde, Maceió/AL.

O passeio de Piaçabuçu até a foz do São Francisco, é muito bonito, quando você estiver nesta região, não deixe de conhecer esta beleza de lugar. A bordo do Santiago, um confortável barco, com banheiros, bebidas, frutas e até guia... Vamos descendo o "Velho Chico" e ouvindo um pouco de suas histórias. Diante de nossos olhos, desfilam, centenas de canoas multicoloridas, ranchadas de pesca, ilhas, aguapés, dunas de areia e coqueiros... Tudo isso embalado por um gostoso forró pé-de-serra, que toca no sistema de som do Santiago.

Em uma praia muito bonita, chamada praia do Peba, o barco foi chegando de mansinho e com a proa tocou a areia. Baixaram uma rampa e pronto, todo mundo desembarcou. Interessante é saber que, na outra margem esta o estado de Sergipe. Bah! Tenho andado, por este Brasil.

Imaginem só, aqui podemos escolher... Banho de lagoa, rio ou mar, tudo a poucos passos. Algumas bancas, vendem delicosos doces e artesanato. Fiquei bastante surpreso com a beleza agreste deste lugar! Na volta almoçamos em Piaçabuçu, boa comida e preço justo. Todos ficamos muito satisfeitos com o programa. Durante nosso retorno, e a pedido do Paulo Riacho Doce, a van parou no mirante da barra de São Miguel, onde podemos "sacar" belos retratos. O Paulão, como chamam os amigos, já morou em Maceió e foi eleito nosso "outro" guia e auxiliar direto do Janjão o guia n° 1.

Passei o tempo todo da volta, cantarolando: - "...segura, segura o mané gamba... segura, segura o mané gamba...", um daqueles forrózinhos do passeio, penetrou na minha mente. Daí, foi só aproveitar e cantarolar olhando pro Ladislau "...segura, segura o mané gamba..."

Setembro 12 - A turma toda resolveu: hoje vamos passar o dia na praia. Eu fui voto vencido, queria mesmo era procurar uma churrascaria... Tô doido por um churras "de gaúcho". Acabamos na Ponta Verde, e pasmen, comendo churrasquinho de "filé-miau" com umas cervejinhas bem geladas, sentados sob dois guarda-sóis, eu, Paulão, Ladislau e Janjão estavamos virados em turistas padrão, enquanto, Magda e Ivani aproveitavam o sol e o mar. Ah! A Cris, hoje se rebelou... Disse na cara dura pra gente:- " ...Não vou sair com vocês, vocês só pensam em beber e comer "... Eu disse pra turma que ela ta muito fazida, ta se achando!

A noite, seguindo as previsões da Cris, e com ela junto, fomos comer pizza. Encontramos aqui em Maceió, uma pizzaria muito boa, pra vocês terem uma ideia, da pra escolher a massa da pizza... Fina, média ou grossa. Que coisa! O lugar chama, Armazém Guimarães. Nestas andanças de lá pra cá e cá pra lá, acabei perdendo meu celular. Putz! O que mais me dói é a agenda...Merda! Pra falar com a "Almiranta", tive que apelar pro celular do mané gamba, digo, do Ladislau.

Piada de mau gosto, um Iate Clube no seco.

Setembro 13 - Opsssss! Esqueci de contar a vocês porque estamos nos demorando em Maceió, é que o mar esta meio nervoso... Ondas altas e ventão. Por isso, hoje vamos passear mais uma vez. A pedida, é um "tour" chamado Nove Ilhas. Não gostamos, almoçamos na Ilha dos Patos e no restaurante de mesmo nome, bem ruinzinho... E do passeio, o que deu pra salvar foi a Ilha Carlito, uma pequena ilha que por muito pouco, não é uma piscina cercada de água por todos os lados, mas, vale a pena é bem legal.

Diazinho meio safado...

Setembro 14 - Estou de aniversário... 48 primaveras, a turma se reuniu e resolvemos ir a uma churrascaria pra comemorar a data. O diferente é que fomos de ônibus, tem um ponto bem em frente a Federação. O Janjão, apelou pra carteirinha da "boa idade", não houve jeito de cobrar a passagem do "ômi". Que figura! Spettus, boa churrascaria, se lembrarmos que estamos nas Alagoas... Então, passa a ser muito boa. Cantaram até parabéns pra mim, vejam só como sou querido. Foi o primeiro aniversário que passei longe da "Almiranta" e da Vitória, devo dizer, que senti a falta das duas.

Resolvemos partir rumo ao Recife, vai ser amanhã pela manhã. Carlinhos, aquele do barco de apoio... Manteve o Planeta abastecido de água. Sempre que podia, deixava alguns galões cheios no convés. De diesel estamos safo, pois, velejamos de Salvador até aqui. Foi só dar uma passadinha no supermercado e estávamos prontos pra partida.

Setembro 15 - 07:00h O Paulão já tava no cockpit do Riacho Doce, loco pra deixar Maceió pela popa, mas, nós ainda tinhamos uns pequenos detalhes pra conferir. O Janjão, saiu cedo com o Tangata Manu. Também já foram o Firulette e o Rebojo, eu e o Paulão, combinamos de sair juntos, e às 08:30h o Planeta Água e o Riacho Doce, suspenderam rumo ao Recife.

Maceió, tem uma orla muita bonita e com muitos atrativos, mas, como já foi dito aqui, venha por terra ou por ar, por mar nem pensar.

¹Barbaridade - Barbarismo. Exprime espanto, admiração, estupefação e surpresa.

Imagens de Maceió, Alagoas / Brasil - CICL 2010 - LV

Imagens de Maceió, Alagoas - Brasil. Clique nas imagens para ampliar.

Fundeadouro em Maceió, ao fundo o porto Jaraguá.

Antes de chegarmos a Federação Alagoana de Vela e Motor, tivemos que literalmente, atravessar um mar de lixo.

Absurdo extremo, lixo e mais lixo...
Assim é o mar em frente a Federação Alagoana de Vela e Motor.

Imagens de Maceió, Alagoas - Brasil - CICL 2010 - LIV

Imagens de Maceió, Alagoas - Brasil. Clique nas imagens para ampliar.

Ainda bem que foto "ainda" não tem cheiro. Federação Alagoana de Vela e Motor, Maceió / Alagoas - Brasil.

Isto é caso de polícia, de denúncia ao ministério público. Maceió, Alagoas / Brasil.

A varanda, Federação Alagoana de Vela e Motor, Maceió, Alagoas / Brasil.

Bebentuário, do bar da Federação - Aqui tem Skol estupidamente gelada a 2,00 a garrafa.

Imagens de Maceió, Alagoas - Brasil. - CICL 2010 - LIII

Imagens de Maceió, Alagoas - Brasil. Clique nas imagens para ampliar.

Barco de Pesca, na proa do pesqueiro esta o Planeta Água preso a uma poita da Federação Alagoana de Vela e Motor.

Ladislau Szabo, ao fundo as instalações da Federação Alagoana de Vela e Motor.

Carlinhos o "barqueiro", na verdade, uma mão e tanto. Não precisar colocar nosso bote nesta podridão, foi tudo de bom. E se colocassemos teríamos que remar, pois, o motor de popa aqui não funcionaria 02 minutos sem que um saco plástico se enrolasse no hélice.

A canoa do Carlinhos, sempre nos reservava surpresas. Desembarcar ou embarcar, e ainda sair com a roupa limpa, era tarefa impossível.