quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Asociación Deportiva Argentina de Navegantes - ADAN

(A.D.A.N.) Asociación Deportiva Argentina de Navegantes. Fruto da união de navegadores Argentinos, a ADAN tem objetivos muito bem definidos. Estimular as relações entre os navegadores e facilitar o intercâmbio entre eles nas áreas de interesse náutico, bem como, prospectar sócios em todo o território Argentino e também no exterior. Isto é só uma pequena amostra do potencial dos "hermanos"... A partir de hoje, você pode visitar a página da ADAN clicando sobre o logo existente em nossa barra lateral (Para Navegar). Quer saber mais? Clique ADAN

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Uma saída de porto insana em cinco imagens impressionantes.

Cinco fotografias impressionantes, “a sequência” da tentativa de saída em Southport (Queensland, costa leste da Austrália) do veleiro "Jogos de Guerra" um Sun Odyssey 49DS em 21 de Maio passado. O mar grosso com ventos de 60 nós, foi ignorado por seu skipper que pretendia ir para Yeppon 400 milhas ao norte, outro porto deste mesmo estado australiano. Investida de total inconsciência e uma rara estupidez…

Austrália: uma saída de porto insana! (1)

Austrália: uma saída de porto insana! (2)

Austrália: uma saída de porto insana! (3)

Austrália: uma saída de porto insana! (4)

Austrália: uma saída de porto insana! (5)

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Vem aí o Crucero de La Amistad 2010

De Buenos Aires, Argentina à Fernando de Noronha, Brasil.
Mais informações AQUI.

Blog do Veleiro Planeta Água - 01 Ano

Estou de volta ao Rio Grande dos contrastes! Cheguei ontem a noite da Angra dos Reis, após uma velejada no "Aventura" do Comandante Guilherme "Chicão" Bastiani, de Ilhabela ao Porto Marina Bracuhy, assunto para mais adiante.

Em cima da hora mas, a tempo de comemorar o aniversário deste blog. Hoje dia 22 de Outubro de 2009, faz 01 ano que colocamos o blog no ar. Neste período, recebemos mais de 12.250 visitas de exatos, 40 países. Sei que, os números são modestos se comparados a outros blogs que abordam o tema náutico, porém, estou satisfeito com a repercussão e o retorno obtido.

Meu muito obrigado aos amigos velejadores e aos amantes do mar que, frequentemente visitam esta página! Parabéns a todos nós!

Fernando Maciel

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Cânion e Pico do Montenegro - São José dos Ausentes, RS - Brasil. Nós já fomos!

Cânion do Montenegro em São José dos Ausentes, RS.

O assunto foge do tópico deste blog mas, vale a pena dar uma olhadela e posteriormente conferir a dica.

Passamos o feriadão de 12 de Outubro um pouco acima do nível do mar... Visitamos o ponto mais alto de nosso estado natal, o Rio Grande do Sul. O Pico do Montenegro - 1.403 metros, esta localizado junto ao cânion de mesmo nome.

Na fronteira entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, perto do litoral, a natureza nos reserva cenários surpreendentes. A região dos Aparados da Serra, assim como o mar, é mais lugar em que a gente sente o poder e a força da natureza e a nossa pequenez diante dela.

Ali, a vegetação brota úmida, selvagem, rebelde. Araucárias nascem na pedra à beira dos penhascos, onde não se imaginaria ser possível haver vida. Xaxins centenários, com vários metros de altura, salvaram-se de seus maior predador , o comerciante de folhagens, simplesmente por serem inacessíveis. Neste mundo primitivo, a vida pulsa em múltiplos tons de verde, os campos e a mata nativa parecem respirar a cada lufada do gelado vento minuano que corta os lábios.

O nome Aparados da Serra é óbvio para quem chega ao lugar. Para onde se olha há campos limpos, pastagens exuberantes interrompidas aqui e ali por capões de matas nebulares, herbáceas ou arbustos, arroios, cachoeiras e cascatas que correm em direção aos cânions. Por isso se chamam Campos de Cima da Serra. Estes campos acabam abruptamente, à beira de cânions com profundidades que chegam a 1000 metros. É como se uma mão invisível houvesse recortado o chão com uma faca, desenhando fendas gigantescas. Não há cercas; você para na beira e olha para o fundo. As pernas tremem diante da profundidade. A alma vibra com a amplidão. A parte de cima é uma paisagem bucólica e silvestre, composta por fazendas - muitas já explorando o turismo rural, gado pastando, grupos fazendo lentas gavalgadas orientadas, seriemas, pica-paus, curicacas, jacus, gralhas azuis, gaviões, macucos, inhambus... A fauna também é abundante: veados campeiros, coatis, graxains, tatus, pacas... Apesar de raros, ainda existem leões baios (pumas americanos) e lobos-guarás, este último de ocorrência mais difícil.

A uma altura média de 1000 metros, é um local frio. No inverno neva. Em dias mais quentes e após chuvas fortes, a corrente de ar quente que sobe do litoral pelos cânions provoca um choque térmico que cria uma neblina característica. Por isto as matas se chamam nebulares.

Depois de um dia de trilhas, cavalgadas e surpresas que lavam nossas almas, nada como retornar às pousadas-fazendas e encontrar uma aconchegante lareira acesa... E uma mesa com dezenas de pratos da culinária campeira.

Nós ficamos e gostamos muito! Pousada Fazenda Aparados da Serra - São José dos Ausentes, RS. Brasil e-mail: pousadaaparadosdaserra@yahoo.com.br Fones (54) 3504-5478 e (54) 9614-0952

Mais sobre a região, AQUI e ALI - Mapa, ACOLÁ.

Pousada Fazenda Aparados da Serra

Cavalgada orientada em tarde de nevoeiro forte

O contraste entre a natureza monumental e o homem

Os campos de cima da serra emolduram os penhascos do Montenegro

Os recortes na pedra parecem ter sido feitos com uma faca e criam abismos abruptos

Pico do Montenegro 1.403 metros

Vitória no Cachoeirão dos Rodrigues

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Veleiro de R$ 100 mil encalhado é alvo de saques em SC

O veleiro argentino, avaliado em R$ 100 mil, está encalhado na Barra da Lagoa. Foto: Fabrício Escandiuzzi

Um veleiro argentino avaliado em R$ 100 mil permanece há onze dias encalhado numa das mais movimentadas praias de Florianópolis, em Santa Catarina. A embarcação atrai a atenção de curiosos e já se transformou em alvo de saques na Barra da Lagoa, localizada na região leste da cidade.

No último dia 1 de outubro, o veleiro Iemanjá não suportou a forte chuva que atingia Santa Catarina e encalhou próximo da praia. O vento e o mar muito agitado fizeram com que o argentino Cristian Federico Chaina, 40 anos procurasse se aproximar da costa para ancorar.

A embarcação acabou arrastada pela correnteza e encalhando na areia, próxima à arrebentação, a menos de 20 metros da praia. O argentino usou um apito para pedir socorro a populares.

Chaina havia deixado a Argentina no último dia 20 de setembro e seguiria para a cidade de Angra dos Reis, no litoral fluminense. Sozinho no barco, o professor de Educação Física havia planejado realizar mergulhos pela costa brasileira. Com o acidente, ele aguarda há dez dias que a companhia de seguros avalie o veleiro para que ele possa enfim, ser retirado do mar.

O problema é que em 11 dias no tempo, a estrutura já teve vários objetos roubados, como um radar, um rádio e um aparelho de GPS. Mesmo tendo encalhado diante de um posto de salva-vidas da praia, não existem funcionários que trabalhem no local durante a noite, o que estaria facilitando as invasões.

"É muito triste, o barco já era porque ele está cheio de areia e água lá dentro", diz o pescador Marco Antônio Livramento, 39 anos. "Tem roupas espalhadas e até uma bicicleta ali, que já está coberta de água. A gente que mora no bairro até fica de olho para que as pessoas não levam nada, mas de noite não há o que fazer".

No feriadão, o barco se transformou numa atração à parte na praia da Barra da Lagoa. Muitos banhistas fotogravam o veleiro encalhado e alguns chegaram a se arriscar a visitar seu interior. A estrutura, de quase 5 toneladas, apresenta uma grande rachadura no casco e bastante água e areia em seu interior.

De acordo com a Capitania dos Portos de Santa Catarina, o barco deverá ser retirado nesta semana, após a avaliação da seguradora e apresentação de um plano para o resgate da estrutura, de modo que o combustível não comprometa o meio ambiente. A operação deverá ser realizada somente quando a maré estiver baixa.

Fabricio Escandiuzzi - Direto de Florianópolis, SC.

Artigo Relacionado: Veleiro Encalha em Florianópolis

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Sextante... Você sabia que ???

O Sextante é o método de navegação mais antigo e ainda usado nos dias de hoje, apesar de toda a tecnologia existente.

A grosso modo o Sextante serve para medir a distância entre o horizonte e um corpo celeste. Ele também pode ser usado para descobrir o ângulo entre dois pontos conhecidos em terra e traçar uma linha para se obter uma posição.

O Sextante é dividido por "segundos de arco", cada minuto angular representa a distância equivalente a uma milha náutica, ou 1.852 metros.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Mais notícias do veleiro Piatã - by Cacau

Bonaire

19/09 Meu Deus do Céu!

Hoje mergulhei nas águas de Bonaire... Gente boa, meus amigos é "di cai a bunda" meus camaradinhas!

21/09 Não podemos esquecer a navegação... Aqui o vento e a corrente são de leste para oeste, os dias são mais ou menos iguais, de manhã ventinho, ao meio do dia chega de 10 a 15 nós, ao entardecer ao sul muitos relâmpagos mas não chove. Popa rasa, fora Morrocoy/Islas de Aves través, nesta perna a atenção é com os navios que estão vindo ou indo para a Colômbia.

Islas de Aves, muito coral, a dica é velejar com luz do dia, a noite é muito complicado. Para Bonaire é só largar o veleiro, daqui vamos para Curaçao e Aruba, tudo popa rasa.

Curaçao

27/09 Saímos de Bonaire no dia 25/09 as 8 hs com vento de 10 a 15 nós de sudeste nosso rumo era oeste, bom bom como se diz aqui, chegamos em Curação as 14 hs. A capital é Willemstad, o ancoradouro é Spanish Water, para quem leu o livro do Cabinho a ponte que apertou ele, foi esta que tem 14 barcos em baixo que abre como um portão. (Foto na colagem acima)

Abração

Cacau

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Tripulação do trimarã "Acauã" à deriva no litoral paraibano, foi resgatada pela Marinha.

O trimarã "Acauã" um multicasco de 32 pés

A Marinha do Brasil resgatou a tripulação do trimarã "Acauã" que ficou à deriva no litoral paraibano. O trimarã de 32 pés (9,90 m) registrado no estado da Paraíba, tinha como comandante Savigny R Cunha Lima e a tripulação composta por Igor Gomes Guimarães e Guilherme Crispim. O grupo foi vencedor da REFENO (Regata Recife-Fernando de Noronha) na Classe Multi D.

Veleiro ficou emborcado desde domingo (27/09), após competição. Eles foram encontrados na madrugada de segunda-feira (28/09) pelo rebocador Triunfo e pelo navio-patrulha Graúna. Segundo informações da Marinha, o veleiro emborcou no domingo (27/09), quando estava a cerca de 30 milhas náuticas (o equivalente a 55 quilômetros) da cidade de Cabedelo (PB). Os velejadores foram encontrados pela equipe de resgate em cima do casco do veleiro e retirados com o uso de um bote de salvamento. O grupo recebeu atendimento médico no rebocador Triunfo. Eles foram alimentados, aquecidos e não apresentaram problemas sérios de saúde.

Resgate da tripulação do Acauã pela Marinha do Brasil

"O veleiro estava inscrito na regata Noronha - Natal e, estava aproveitando a cobertura da Marinha para o retornar de Fernando de Noronha para Natal. Este procedimento é muito comum e correto para quem participa da REFENO.

O "Acauã" comunicou à Marinha de que ia arribar para João Pessoa e, depois da comunicação sofreu o acidente. No Iate Clube do Natal, as informações eram de que ele havia capotado e uma das bananas havia se rompido e entrado água".

Mauricio - Veleiro Fast 345 - Alphorria - (ABVC)

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Veleiro encalha em Florianópolis

Veleiro foi arrastado para a faixa de areia da Praia da Barra da Lagoa na madrugada de 1º de Outubro. Embarcação teria um tripulante, que partiu da Argentina e navegava pelo Litoral Catarinense. Barco apresentou problemas mecânicos quando ele tentava se proteger do mau tempo.

Equipe do Corpo de Bombeiros tenta, desde o início da manhã, retirar um barco encalhado na faixa da areia da praia da Barra da Lagoa, no Leste de Florianópolis. A equipe de resgate foi acionada por volta das 6h e informada de que um veleiro teria sido arrastado pela corrente marítima para a praia durante a madrugada. Segundo o intendente da Barra da Lagoa, Marcelo Vieira, a embarcação seria de um argentino que navegava pelo litoral catarinense. Ele teria partido do país vizinho e tido um problema no motor da embarcação quando tentava se abrigar do mau tempo na baía da Barra da Lagoa, durante a madrugada. Quando se aproximava do canal da barra, que liga a Lagoa da Conceição ao mar, a força das correntes marítimas teria empurrado a embarcação contra as pedras e, em seguida, em direção à faixa de areia.A identidade do argentino ainda não foi divulgada. O homem disse a Vieira que gritou por socorro, mas não havia ninguém na praia. Ao se aproximar da arrebentação (onde quebram as ondas) o tripulante abandonou o barco e pediu ajuda a moradores. Em seguida, o intendente do bairro e os socorristas foram acionados.Vieira adiantou que, como medida emergencial, uma retroescavadeira da prefeitura foi mobilizada para tirar o barco da água. Às 9h, as ondas continuavam a bater contra o casco, danificando a embarcação. O resgate deve ocorrer nas próximas horas. O proprietário do veleiro tenta desde cedo acionar o seguro da embarcação. Caso a empresa seguradora inicie os trabalhos para a retirada do barco, a prefeitura deve suspender a mobilização.

Barra da lagoa - Florianópolis, SC.

Morador diz que ajudou tripulante.

De acordo com Marcos Vieira, morador da região, o velejador chegou à praia ainda na noite de quarta-feira, por volta das 20h30min. Ele teria ancorado a embarcação no local para se proteger do mau tempo previsto para os próximos dias. Na madrugada, diz Vieira, o dono do barco, teria pedido ajuda. Ele teria dito que o tamanho das ondas aumentou e o mar revolto tinha arrastado o veleiro para a linha onde as ondas quebram.— Ele disse que a bateria, usada para ligar o motor do veleiro, estava descarregada e por isso não conseguiu evitar que o barco fosse parar na praia. Também não conseguiu pedir socorro pelo rádio, pelo mesmo motivo — lamenta Vieira, que ressalta que as duas âncoras da embarcação não impediram que a correnteza levasse o barco para a praia. Segundo ele, o argentino passava frio e estava bastante abatido com o incidente.

Colaboração Eduardo Schwery (ABVC)

Gigante & Veleiro Entre Pólos

"MELHORES AMIGOS são os irmãos que Deus esqueceu de nos dar."

(Autor desconhecido)

Veleiro Entre Pólos (Fortaleza - Trinidad)

Ademir "Gigante" de Miranda comandante do veleiro Entre Pólos, um belo 42 pés feito em aço galvanizado. Gigante, como os amigos o chamam... É um velejador tarimbado, com ele eu devo ter velejado algo em torno de 2500 milhas náuticas. Ele é daqueles comandantes que não perdem uma chance de soltar as amarras e partir. Cinquentão, Gigante é um cara muito família, tem na esposa Cleuza e nos filhos Junior e Tayna seu "Norte Verdadeiro". Amigo e muito atencioso, é daqueles sujeitos que sabem aonde vão e o que realmente querem. Hoje acumula mais de 30000 milhas navegadas a maior parte delas a bordo do Entre Pólos.

Na semana passada recebi o e-mail abaixo do amigo Gigante:

Olá meu velho, onde andas?

Ontem terminei uma pequena edição de um vídeo, que mostra a nossa travessia de Fortaleza a Trinidad. Mando o link em primeira mão já postado no terra. Hoje vou por o link no blog e mandar pra galera acessar via blog. O fundo musical botei aquele do teu site, achei que irias gostar e não se importar, pois somos os dois protagonistas desta travessia que deu origem ao vídeo.

Abraços a todos do Planeta Água

Bons Ventos

Gigante

Veleiro Entre Pólos

Gigante e Fernando, comemorando a passagem pela linha do Equador

Muita saúde e bons ventos ao "Gigante e família".

Fernando, Marta e Vitória