sexta-feira, 26 de junho de 2009

Espaço da Vitória - Cruzeiro Costa Sul 2009 - XVIII

Enseada da Caixa D'Aço, flutuante do churrasco.

01.05.09 - Dia nublado, friozinho e chuvinha... Sabe aquele chove e para e para e chove? Pois é, assim esta o dia. A princípio, nossa saída estava prevista para acontecer entre 09:00 e 10:00h da manhã, só tínhamos que aguardar o ok do nosso comodoro (Zanella pai). Então!... Acordamos cedo afim de organizar o barco para a partida. Minha mãe, tratou de iniciar o almoço enquanto ainda estávamos ancorados, eu fui estudar um pouco e meu pai foi para fora ajeitar, cabos, velas, combustível... Ah! estávamos com pouco diesel, mas não demorou muito a aparecer um velejador amigo para emprestar uns litros... O Zanellinha (filho), arrumou tudo, e o simpático comandante Janjão (Veleiro Sweet) nos emprestou uma bambona de 20 litros. O próprio Zanellinha fez a gentileza de fazer o transporte até o Planeta Água. Uma coisa ficou muita clara pra mim, neste meio da vela todos procuram se ajudar... Muito legal! Meu pai continuava na faina (trabalhando a bordo), quando recebeu uma visita... Um inflável parou ao lado do Planeta Água, era Gigante (Veleiro Entre Pólos) amigo de velejadas e de clube lá de Porto Alegre - RS.

Nosso comodoro chama no rádio, ele comunica a flotilha que nossa partida foi adiada para o dia seguinte por motivo de mau tempo. E adivinhem o que a turma resolveu aprontar?... É, outro churrasco. Mas como? E onde? Afinal estávamos todos ancorados e sem lugar em terra para fazer a churrascada. Logo começaram a agitar um local, e como sempre, o incansável Zanellinha com sua boa vontade e simpatia logo deu um jeitinho. O churras ia rolar num dos bares flutuantes da enseada. Fizeram uma chamada no rádio para ver quem iria participar, nós que já estávamos com nosso almoço pronto, resolvemos ficar com o strogonofe da minha mãe. E a chuva não dava trégua. Mais tarde, meu pai me levou de bote até o flutuante onde estava reunida a turma. O pessoal é bem "maluquinho", e eu me diverti bastante.

No cruzeiro do churrasco... Mais um churras.

O capitão (pai) e a almiranta (mãe) aproveitaram a saída de bote e foram para terra levar o lixo, depois foram na padaria e tiraram algumas fotos da enseada da Caixa D'Aço. Bem a tardinha quando voltei para o barco, fui estudar mais um pouco... Enquanto isso minha mãe fez pãozinho de queijo. Hoje mesmo com o friozinho, eles me deixaram mergulhar, eu e meu pai tomamos banho no mar. Após o jantar, não demoramos a nos recolher.

Enseada da Caixa D'Aço, Porto Belo - SC.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Diário de Bordo do Traslado do Novo Planeta Água de Salvador - BA à Angra dos Reis - RJ

O Novo Planeta Água Delta 36 na Bahia Marina, Salvador - BA.

Quinta-feira, 28 de maio de 2009.

Estamos em Salvador na Bahia Marina aguardando uma melhora no tempo para então seguirmos rumo ao Rio de Janeiro. Silvio (Capitão Caverna) Labres e eu estamos ansiosos para velejar, o barco agora já esta em ordem ou quase (assim cremos), ontem a noite resolvemos fazer um carreteiro de charque "baiano" ou melhor um carreteiro "baiúcho". Não sem antes desmontar todo o fogão que se negava a colaborar para o intento "carraterístico". Manutenção feita...Meia noite nos deliciávamos com o prato "baiúcho".

Sexta-feira, 29 de maio de 2009.

A manhã e parte da tarde foram consumidas com compras... Cabos, alimentos, e até a galões para transporte de diesel.

16:00h Fizemos vista grossa para aquela superstição de não sair na sexta (xô uruca!) e soltamos as amarras do "Emoções" (vamos mudar para Planeta Água) mais tarde entenderíamos o quanto este nome tem tudo haver com o barco. Detalhe, saímos sem seguro, a seguradora pediu um prazo de 05 dias para fazer a vistoria... Não podíamos esperar, nosso prazo final para estar em Angra era 08/06... Eu ainda teria que voltar de avião a Florianópolis para de carro fazer o caminho de volta a Angra com o restante da tripulação (Marta e Vitória) a fim de participarmos do VII Encontro Nacional da ABVC que se iniciaria dia 11/06...Uffa!!! Bastou deixarmos o farol da barra pela popa para sentirmos todo o desconforto de um mar desencontrado com vento contra, situação de tempo muito ruim mesmo, mas nem pensar em voltar... Temos que seguir adiante e também a previsão meteorológica para o dia seguinte era animadora. Foi uma noite para se esquecer, sem poder cozinhar nos limitamos a consumir lanches frios. Cansados resolvemos arribar para Ilhéus.

Ilhéus - BA.

Sábado, 30 de maio de 2009.

14:00h Fundeamos enfrente ao Ilhéus Iate Clube... Molhados e cansados, tratamos de organizar o barco. Abastecemos e em seguida colocamos o bote na água, fomos até a sede do clube onde tomamos um banho "frio" e nos deliciamos com uma refeição quente. Decidimos seguir viagem amanhã, hoje vamos dormir uma noite de sono merecida e reparadora.

Domingo, 31 de maio de 2009.

06:30h Vamos deixando o molhe do porto de Ilhéus por BE... O vento continua na proa, porém mais fraco, nosso problema agora é uma corrente contra de 1,5 nós. Algumas horas mais tarde a previsão de tempo animadora se confirma, o vento ronda e entra de NNE.

Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, Ilha de Santa Bárbara.

Segunda-feira, 01 de junho de 2009.

15:00h Chegamos ao Parque Nacional Marinho dos Abrolhos com corrente a favor de 1 nó e vento de popa. Recebemos as boas vindas do operador do rádio farol de Abrolhos, que nos sugeriu pegar uma das poitas disponíveis no lado sul da ilha de Santa Bárbara, e assim foi feito. Não se pode desembarcar na ilha de Santa Bárbara que é a ilha principal, fomos informados que o desembarque tem que ser autorizado pela marinha. As outras ilhas do parque são, Redonda, Siriba, Sueste e Guarita a única aberta a visitantes é a Siriba. Acabamos não desembarcando, falando mais uma vez com a estação rádio farol... Pedimos a previsão para as próximas horas e fomos informados de uma frente fria que estava para entrar na quarta-feira às 24:00h Resolvemos abastecer, transferindo o diesel dos galões para o tanque resolvemos o problema combustível. Assando no forno o peixe fisgado pela manhã resolvemos o problema fome e 4 horas após nossa chegada estávamos mais uma vez partindo rumo a Vitória, a idéia era chegar a Vitória e escapar da tal frente.

19:00h Vento NE o barco anda bem 07 a 08 nós, mas a coisa tinha que mudar afinal seriam muitas "Emoções". Navegamos algo em torno de 30 milhas e demos literalmente de cara com a frente fria. Passava das 23 :00h noite alta e confesso a vocês... Em todos os meus anos navegando eu nunca vi nuvens tão feias, tão assustadoras. Raios, muitos raios... Chuva forte, ao tentarmos olhar para a proa não podíamos abrir os olhos éramos castigados pela força da chuva aliada ao vento, o mar crescia vertiginosamente e o barco batia muito. Com muita dificuldade a genoa foi enrolada e o grande reduzido ao 1º rizo, agora motorávamos fazendo de 01 a 02 nós, não conseguíamos ir adiante... Para evitar as batidas resolvemos dar bordos, mas algumas ondas perdidas igual faziam o barco dar batidas que doíam em minha alma. Agora além da chuva as ondas que embarcam sem permissão nos encharcam. O vento atingiu 35 nós (força 8), o mar esta revolto e branco, espuma pra todo o lado. E o barco sem seguro! Pra completar uma voz invade o ar, no rádio VHF sempre ligado no canal 16 a operadora anuncia: - Vitória Rádio "Chamada Geral" , embarcações na área entre Vitória e Aracruz (Barra do Riacho) embarcação de pesca Urso Branco desaparecida com 04 tripulantes, procurar avistar, assistir e informar. Da pra imaginar a nossa cara ? Eu já estava pedindo ao todo poderoso para que acalmasse aquele turbilhão em que nos encontrávamos. Percebemos que não conseguiríamos chegar a Vitória com aquelas condições de vento e mar... A opção era a Barra do Riacho, um porto particular da Aracruz que fica 30 milhas ao sul de Vitória.

Velejada desconfortável entre Abrolhos e Vitória

Terça-feira, dia 02 de junho de 2009.

Velejamos o dia todo dando bordos... Tentavamos andar para frente e atingir a Barra do Riacho (Aracruz). Repito sem medo de estar dizendo bobagem, foi o pior mar em que naveguei... O Pesqueiro Urso Branco e os 04 pescadores continuam desaparecidos a Vitória rádio esta sempre nos lembrando o que nos espera se cometermos algum erro.

Barra do Riacho, Porto Aracruz - ES.

Quarta-feira, 03 de junho de 2009.

04:00h da manhã, destruídos fundeamos junto a prainha ao fundo do porto (Aracruz) Barra do Riacho - ES. Foram 33h massacrantes, onde foram colocadas a prova nossa capacidade de lidar com condições extremamente adversas de mar, vento, frio, orientação, emoção, técnica, enfim... A natureza nos sabatinou a fim de saber se éramos ou não homens do mar... Acredito que fomos aprovados, a final estamos contando a história.

Acordamos com os ruídos provenientes da movimentação do porto, pontes rolantes transportando containers, carretas sendo carregadas e descarregadas e os rebocadores num vai-e-vem sem parar. Logo mergulhamos na faina... Havia um vazamento de óleo diesel que se espalhara por debaixo dos paineiros e o cheiro estava insuportável. Envolvidos na solução do problema, não percebemos que o vento mesmo dentro do abrigo havia aumentado e nossa âncora havia garrado, só notamos quando o Caverna saiu para o cockpit a fim de pegar a caixa de ferramentas que estava no paiol e anunciou: - Comandante estamos garrando e indo de encontro aos navios. Voei para fora... Caverna com a mão na chave deu partida no motor, não, não deu, tenta de novo, nada. Desce e vira a chave ponte, ok. Vira, nada. Putz! - Comandante o Navio esta mais próximo. Alerta o Caverna. Olho para o paiol e penso em pegar as defensas, mas desanimo olhando o imenso navio ao qual íamos de encontro, não vai adiantar defensa alguma... E o barco sem seguro! Quando tudo parecia perdido, noto o Caverna fazendo sinais para um rebocador que já se aproximava o operador do possante sai da cabine e grita apontando para o outro lado: - Aquele rebocador menor vai vir socorrer vocês. O todo poderoso existe e gosta da gente... Quando o mini rebocador chegou o cabo já estava pronto e nos rebocaram arrastando âncora e o que estivesse pela frente. Nos amarram a uma poita usada pelas dragas que trabalham no porto, e nos disseram: - Daqui vocês não saem mais. Antes de ir embora os operadores do mini rebocador ainda nos emprestaram uma bateria para fazer uma ponte. Rudmar e Alex estes são os nomes de nossos salvadores operadores do rebocador Minibola da Ocean Boat. Mais tarde ainda na faina descobrimos que a bateria de partida do motor estava pifada, era lixo. De tempos em tempos eu olhava o mar, lá fora a coisa continuava feia e o vento mesmo dentro do abrigo soprava na casa dos 25 nós.

Rebocador nos auxiliando na Barra do Riacho (Aracruz).

Durante a tarde do dia 04/06 o vento e o mar começaram a dar uma trégua... Checamos mais uma vez a previsão e decidimos sair às 23:00h para Vitória. Acabamos antecipando a saída para às 20:30h e a próxima escala seria Guarapari. Na verdade não agüentávamos mais ficar ali, na Barra do Riacho (Aracruz), também já estávamos sem água nos tanques e com pouco diesel e o lugar não oferece pontos de abastecimento nem local para descarte de lixo.

Quinta-feira, 04 de junho de 2009.

20:30h Finalmente deixamos o porto da Aracruz... Mar calmo, vento SSW...Velejada tranqüila durante toda a noite...Graças ao todo poderoso. Eu já tinha perdido as esperanças de chegar na data marcada em Angra...

Abastecimento no Rio Guarapari, Guarapari - ES.

Sexta-feira dia 05 de junho de 2009.

07:00h Entramos na enseada de Guarapari para o que seria um pit stop rápido. O Caverna não viu a chegada a Guarapari, estava a horas desmaiado no cockpit usando como travesseiro a catraca de BB. Abastecemos com diesel, água, tomamos um café no posto em frente e fomos ao supermercado comprar alguns itens que tinham acabado o super fica bem perto do ponto de abastecimento.

08:30h Soltamos as amarras rumo ao Rio de Janeiro... O dia foi tranqüilo, uma velejada gostosa. As 02:00h avisei o Caverna que ia dormir um pouco e pra minha surpresa acordei só às 06:00h. O Caverna tinha arribado para Cabo Frio mais precisamente para o Boqueirão, vindo do N deixamos a ilha do Cabo Frio por BB...Justificou a arribada mostrando uma luz vermelha acesa no painel. - Vamos preparar um café e ver o que é que tem este motor!... Deve ser o alternador. Sentencia o Caverna.

Praia do Farol, Ilha do Cabo Frio - RJ.

Sábado, 06 de junho de 2009.

07:00h fundeamos em frente a Praia do Farol na ilha do Cabo Frio, um lugar muito bonito onde a natureza se mostra por inteiro em um mar cristalino, praias de areias brancas, costões, e o majestoso e imponente Boqueirão. Eu já havia estado aqui quando subimos a costa com nosso primeiro Deltinha de 26 pés, mas voltarei todas as vezes que tiver oportunidade. Enquanto preparei o café, o Caverna deu uma olhada no motor... Era realmente o alternador, um carinho nele e pronto a luz não acendeu mais. Em seguida colocamos o bote na água para tirar algumas fotos. Não demorei para notar algumas rajadas de vento mais forte, olhei na volta e no topo da ilha algumas nuvens negras se concomunavam para estragar nosso final de viagem. Através do portal formado pelo Boqueirão vi o mar encarneirado... Pronto lá vamos nós outra vez, rapidamente subimos o bote e suspendemos a âncora.

Chegando a Rio de Janeiro - RJ.

09:00h Passamos pelo Boqueirão e lá estava ele nos esperando o vento que predomina na costa brasileira o "Vento Contra". Arribamos um pouco e regulamos as velas a fim de tornar a velejada menos dolorida... Mais uma vez o mar crescia, e já tomávamos alguns banhos frios com ondas intrometidas. Algum tempo depois eu já havia desistido de chegar a baía da Ilha Grande... Avisei ao Caverna que iríamos entrar na baía da Guanabara e fazer mais uma escala... Agora no Iate Clube do Rio de Janeiro.

19:30h Estávamos confortavelmente amarrados na bacia (piscina) do ICRJ onde gentilmente nos permitiram ficar, pois tratava-se-se de mais uma parada rápida... Banho, que maravilha de chuveiros! Jantar, que maravilha de restaurante! Soninho, que maravilha de caminha! Por muito pouco o Caverna não fica dormindo sentado na varanda do clube, o sujeito estava bem cansado.

Iate Clube do Rio de Janeiro

Domingo, 07 de junho de 2009.

08:30h, Por rádio agradeço ao ICRJ a acolhida e lentamente vamos saindo da enseada de Botafogo, mas não sem admirar mais uma vez as belezas da cidade maravilhosa. Mal passamos a Ponta de São João e o oceano nos deu bom dia... Ondulações enormes entravam na baía. No través de Copacabana consultamos o altímetro e este acusou uma variação de 5 metros ou seja a vaga tinha este tamanho... Nossa sorte era o intervalo entre uma onda e a próxima que era de 12 segundos o que nos permitia velejar. Esta condição de mar nos acompanhou durante todo dia, a cada mudança de rumo o vento nos acompanhava para ficar exatamente em nossa proa... Aquele vento predominante o "Vento Contra" . Não nos restava muito a não ser dar longos bordos... Ao entrarmos na baía da Ilha Grande, o vento rondou e continuou "Vento Contra" não acreditávamos, aquilo era impressionante. Para encerrar sem mais nem menos as luzes de navegação da proa BB/BE simplesmente se apagaram em plena baía da Ilha Grande...Logo onde. O Caverna se irritou e com seu canivete Suíço foi até lá dar um jeito... E deu, as ditas voltaram a funcionar.

21:30h Cansados chegávamos ao píer do Porto Marina Bracuhy, cansados sim... Mas ainda com forças para procurar um bar aberto e comemorar as 1000 milhas vencidas com tantas dificuldades e sem "seguro".

Veja mais fotos no formato original clicando no link abaixo:

http://picasaweb.google.com.br/veleiroplanetaagua/NovoPlanetaAguaDelta36TrasladoDeSalvadorBAAAngraRJ?feat=directlink

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Espaço da Vitória - Cruzeiro Costa Sul 2009 - XVII

No sentido horário, Helena (Vel Mony), Egle (Vel Taai -Fung II) Marta e Vitória, Ivan (Vel Taai- Fung II) no restaurante do Si, Porto Belo.

30.04 - 09:00h Saímos de Camboriú... A próxima escala seria a enseada Porto Belo.

Chegamos às 11:00h e âncoramos em frente a praia, em seguida eu e mau pai colocamos o bote na água e junto com minha mãe remamos para a praia onde fica o restaurante do Si. O Sr. Joel presidente da Câmara de Vereadores de Porto Belo nos aguardava no restaurante e recepcionou a todos calorosamente. Um almoço estava sendo preparado para a flotilha do CCS, mais tarde ficamos sabendo que a pessoa que patrocinou o almoço é conhecida em Porto Belo por "Maresia", mas este não apareceu por lá. Entre conversas, tal e coisa e coisa e tal, a turma consumia aperitivos, caipirinhas e muita cerveja. Serviram como entrada um pexinho frito, tipo sardinha, só que o nome é charuto, uma delícia.

O Jonas... Este ficou o tempo todo testando o veleirinho dele na praia, sob os olhares do pessoal, que nutre uma admiração muito grande por ele.

Almoçamos uma tainha com acompanhamentos, e logo após o comodoro reuniu os comandantes para uma votação se iríamos direto para Florianópolis ou faríamos uma parada em Jurerê na sub-sede do Veleiros da Ilha. A opção foi parar em Jurerê.

O Caixa D'Aço, Porto Belo - SC.

Mais tarde a flotilha toda foi se abrigar na Enseada da Caixa D'Aço que fica bem perto... Acho que não navegamos 10 minutos até lá. O vento estava forte, giramos um pouco até encontrar um lugar adequado para soltar a âncora e acabamos encalhando, depois de algumas manobras conseguimos sair e finalmente âncoramos. Alguns barcos garraram (a âncora se desprende do fundo) e tiveram bastante trabalho. O Caixa D'Aço é um local onde fundeiam (âncoram) vários veleiros e lanchas, isto ocorre por se tratar de um lugar bem abrigado e protegido de ventos e ondas. Hoje era dia de tomar banho no cockpit, pior é que estava bem frio, então minha mãe resolveu esquentar água e improvisar um banho no banheiro do barco, até que foi gostoso e diferente é claro. Já a noitinha preparamos uma pizza, jantamos e fomos dormir.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Espaço da Vitória - Cruzeiro Costa Sul 2009 - XVI

A bela vista da barra sul de Camboriú lá de cima do teleférico.

29.04 - Hoje o dia prometia... Tomamos café, estudei um pouco, e logo fomos arrumar as mochilas para o passeio no parque Unipraias. Nosso comodoro Zanella pai, já havia providenciado os ingressos, então fomos direto ao teleférico, super bonita a vista da praia e da cidade lá de cima . Na primeira parada do bondinho tem um trenó igual ao de Gramado no RS., um carrinho que desliza com certa velocidade por um trilho, fomos eu e meu pai, minha mãe foi com a Diana do Tangata, bem divertido. Em seguida fomos conhecer o parque, existem alguns caminhos para se percorrer com muita vegetação (acho que é mata Atlântica) e vários tipos de animais que estão identificados em placas espalhadas pelos caminhos, (só que não vimos nenhum, acho que estavam dormindo) vários mirantes, atividades tipo escalada, arvorismo, lojinhas, lancheria, capela, o parque e muito bem estruturado.

Vitória em um dos caminhos do parque Unipraias - Camboriú - SC.

Depois de conhecermos esta parte, pegamos outro bondinho (teleférico), que nos levou a praia de Laranjeiras, um lugar bem movimentado, com uma rua repleta de lojas, restaurantes e a praia muito bonita. Ah! Esqueci minha mochila lá em cima no banheiro... Putz! Levei uma bronca, meu pai falou com o rapaz do bondinho e o mesmo ligou lá para cima e haviam encontrado e enviado para a administração do parque. Bom... Fiquei bem chateada!

A linda praia de Laranjeiras - SC.

Almoçamos com o pessoal num restaurante na beira da praia, conversamos um pouco e começamos a voltar olhando as lojinhas. Chegamos lá em baixo e fomos direto para a administração para pegar a mochila. Ufa!... Minha mãe começou a tirar as coisas para ver se estava tudo ok, o que ela colocou estava tudo lá, menos o meu celular, paguei caro pelo esquecimento. Problema de boca né!... Continuamos o passeio, resolvemos pegar o bondinho terrestre, todo bonitinho, são vários e todos coloridos que fazem um tour pela cidade, fomos até o centro, o Gigante do veleiro Entre-Pólos amigo de meu pai disse para visitarmos os camelódromos, começamos a andar e de repente encontramos nossos amigos do Tangata Manu, já paramos para um cafezinho e um papinho. Eles continuaram a caminhada com a gente. Nossa! Ficamos admirados com o camelódromo, muito organizado e com uma enorme variedade de produtos, um passeio que merece ser feito com calma e tempo, impressionante. Pegamos nosso transporte de volta, numa das paradas do bondinho, para nossa alegria sobe o Ícaro e o Sarmento (Veleiro Alondra) que tinham ido ao supermercado. Descemos todos, os homens foram para a reunião, nós para o banho. Um pouco mais tarde, nos reunimos todos em uma pizzaria, bem em frente a Marina, excelente. O secretário de turismo foi nos dar as boas vindas e como todo o bom politico, cumprimentou a todos, disse algumas belas palavras e para surpresa geral se responsabilizou por toda a despesa. Que maravilha!

Tripulação em um dos mirantes do parque Unipraias, Camboriú - SC.

terça-feira, 16 de junho de 2009

VII Encontro Nacional da ABVC - 2009

09/06/09 - terça-feira:

12:10h Eu estava desembarcando em Florianópolis... Vinha do Rio para encontrar o restante da tripulação do Planeta Água (Marta e Vitória) para então de carro voltarmos para Angra dos Reis, mais exatamente ao Porto Marina Bracuhy de onde eu havia saído às 06:30h Ufa!!!

Uma noite em Curitiba e 14 (eu disse quatorze) pedágios mais tarde chegamos ao Bracuhy... O "mot" da viagem era o VII Encontro Nacional da ABVC e de quebra apresentar o novo Planeta Água à tripulação que só havia visto o elegante Delta 36 em fotos.

Este é o nosso 3º Encontro, participamos do V e do VI e gostamos tanto que fizemos questão de estar novamente presente neste ano. Como de costume foi tudo muito bom... (apesar da chuva que teimou em cair) Foram Jantares, "Cervejas", Almoços,"Cervejas", Churrascos, "Cervejas" Palestras, "Cervejas", Cursos, "Cervejas", Workshops, "Cervejas"... Teve até brechó náutico e é claro "Cervejas".

Reencontramos muito amigos de outros encontros e do recente CCS 2009 (Cruzeiro Costa Sul). Marta faz questão de destacar neste ano, a Clínica de Vela para mulheres (curso teórico e prático) ministrado pelo competente Pêra - Pêra Náutica, que soube transmitir parte de sua experiência de forma descontraída, porém muito interessante e proveitosa.

Vitória e a "galerinha" no Workshop de construção de veleirinhos usando "sucata" ministrado pelo Jonas (Veleiro Fandango/Travessura)

Marta e as "coleguinhas" na Clínica de Vela para mulheres.

A turma na aula prática ministrada a bordo do Catamarã Bora Bora www.velejandocomdeus.com